Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Bruxelas admite que défice português em 2018 fique abaixo das suas previsões

Bruxelas admite que défice português em 2018 fique abaixo das suas previsões
| Economia
Porto Canal com Lusa

Bruxelas disse hoje acreditar que a discrepância de 0,4 pontos do PIB entre as suas previsões para o défice de Portugal para 2018 (1,4%) e a meta do Governo (1%) seja anulada ou reduzida, como já aconteceu.

Na conferência de imprensa de apresentação das previsões económicas de outono, o comissário europeu dos Assuntos Económicos justificou a discrepância com os "pressupostos diferentes" tidos em conta por Bruxelas e Lisboa nas projeções, sendo a Comissão "mais conservadora" do que o Governo, mas admitiu que a diferença venha a ser "anulada ou reduzida", como já sucedeu no passado.

Sustentando que a previsão mais pessimista da Comissão se prende sobretudo com projeções mais conservadoras relativamente à despesa pública decorrente de compensações a trabalhadores e transferências sociais, Pierre Moscovici apontou, todavia, que Bruxelas está em contacto com o Governo português, "com um sentimento muito positivo", e admite que as diferenças de projeções venham a esbater-se, parcial ou totalmente.

"Esperamos que estas discrepâncias possam ser anuladas ou reduzidas, como foi o caso em exames ou avaliações orçamentais anteriores, pelo que sou prudente relativamente a estes números" hoje projetados pela Comissão, reconheceu Moscovici.

A Comissão Europeia melhorou hoje as projeções do défice de Portugal, para 1,4% este ano, justificado nomeadamente com um "investimento público abaixo do orçamentado", alertando para que a redução é "sobretudo cíclica" e não resulta de medidas do Governo.

Nas projeções económicas publicadas hoje, Bruxelas revê em baixa as previsões para o défice orçamental tanto para 2017 como para 2018, antecipando que fique nos 1,4% em cada ano, o que compara com a anterior projeção de défices de 1,8% e de 1,9%, respetivamente.

Todavia, a projeção de um défice de 1,4% em 2018, que Bruxelas espera em virtude de "um impacto mais negativo das operações temporárias", é superior à meta do Governo, de 1%.

No mês passado, após receber a proposta de Orçamento do Estado para o próximo ano, a Comissão enviou mesmo um pedido de esclarecimentos a Lisboa, apontando que a consolidação orçamental portuguesa prevista para 2018 ficava aquém do definido e exigiu que o Governo português esclarecesse como é que pretende cumprir as regras europeias no próximo ano.

Os responsáveis europeus tinham afirmado que o esboço orçamental para 2018, enviado a Bruxelas em 16 de outubro, prevê uma consolidação orçamental de 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB), que os serviços comunitários calculam ser inferior, de 0,4% do PIB, e referem que, "embora significativo, este esforço parece estar um pouco abaixo do mínimo de 0,6% do PIB estipulado (...) na recomendação do Conselho de 11 de julho de 2017".

Em resposta, o ministro das Finanças, Mário Centeno, argumentou com as revisões sucessivas que os serviços europeus têm feito ao ajustamento estrutural (que exclui os efeitos do ciclo económico e as medidas temporárias) do país para reiterar que a diferença entre as projeções de Portugal e as da Comissão é pouco relevante.

+ notícias: Economia

Menos de metade das empresas atribuiu prémios de desempenho aos trabalhadores

Menos de metade das empresas (44,9%) atribuiu em 2016 prémios de desempenho aos seus trabalhadores pelo cumprimento dos objetivos definidos para a empresa, segundo um inquérito hoje divulgado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE)

Somague confirma despedimento coletivo de 300 trabalhadores

A construtura Somague confirmou hoje, à agência Lusa, que vai avançar com um despedimento coletivo de 300 trabalhadores, para tornar a empresa competitiva, motivada pelas dificuldades em Angola e no Brasil, principais mercados internacionais onde opera.

EDP vende 584 milhões de euros do défice tarifário

Lisboa, 22 nov (Lusa) -- A EDP vendeu à Tagus uma parcela do défice tarifário de 2017 no valor de 584 milhões de euros, foi hoje comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS