Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Suspeito de homicídios e outros crimes, Pedro Dias começa hoje a ser julgado na Guarda

Suspeito de homicídios e outros crimes, Pedro Dias começa hoje a ser julgado na Guarda
| País
Porto Canal com Lusa

Pedro Dias, suspeito de ter cometido três homicídios em Aguiar da Beira, em outubro de 2016, e também acusado de múltiplos outros crimes, começa hoje a ser julgado no Tribunal da Guarda.

A primeira das 24 sessões que já se encontram agendadas tem início às 09:30, no Tribunal da Guarda, que requisitou medidas adicionais de segurança.

Pedro Dias é acusado da prática de três crimes de homicídio qualificado sob a forma consumada, três crimes de homicídio qualificado sob a forma tentada, três crimes de sequestro, crimes de roubo de automóveis, de armas da GNR e de quantias em dinheiro, bem como de detenção, uso e porte de armas proibidas.

Na altura em que foi marcada esta data para arranque do julgamento, ainda não figurava o crime de homicídio relativo a Liliane Pinto, que faleceu cerca de cinco meses após ter sido alvejada.

A defesa prescindiu então do prazo para abertura de instrução do processo relativo a Liliane Pinto, por forma a conseguir juntá-lo ao processo principal, o que acabou por verificar-se.

O julgamento, que começa hoje, conta com 76 testemunhas por parte da acusação, informou a advogada do arguido, Mónica Quintela.

Pedro Dias, de 44 anos, esteve fugido um mês após os crimes de Aguiar da Beira, até se ter entregado às autoridades. Tem aguardado o julgamento em prisão preventiva.

+ notícias: País

Limitação informática trava consultas no Serviço Nacional de Saúde

Uma limitação no sistema informático está a impedir o cumprimento das regras definidas para agilizar o regime das Consultas a tempo e horas no Serviço Nacional de Saúde. O alerta é da Entidade Reguladora da Saúde que garante que este é um dos principais problemas do sistema de saúde público.

Pedrógão Grande: Sessenta e seis mortos, mais de 250 feridos e 500 casas destruídas

O incêndio que deflagrou há seis meses no concelho de Pedrógão Grande e que alastrou a concelhos vizinhos fez 66 mortos e 253 feridos, sete dos quais graves, destruiu meio milhar de casas e quase 50 empresas.

Emigrantes regressam a Portugal para passar o natal

Com o Natal à porta é hora dos milhares de portugueses que vivem lá fora regressarem para junto da família.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS