Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Apoios à produção animal "vieram muito tarde"

| País
Porto Canal com Lusa

Lourinhã, Lisboa, 16 out (Lusa) - As medidas anunciadas para apoiar a alimentação dos animais em regiões do país afetadas pela seca extrema, como é o caso do Alentejo, "vieram muito tarde", disse hoje, na Lourinhã, o presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP).

"As medidas de apoio à alimentação e água para animais vieram muito tarde", afirmou à agência Lusa Eduardo Oliveira, à margem de uma reunião do conselho consultivo regional da CAP na Lourinhã, distrito de Lisboa.

Para o presidente da CAP, as medidas foram decididas "em pleno verão e deviam ter sido tomadas ainda antes da primavera começar, para que tivessem bom resultado na altura em que podiam ser aproveitadas e não foram".

Entre as medidas tardias está, exemplificou, a autorização de pastoreio em zonas de pousio, a antecipação de ajudas comunitárias, que, chegadas em outubro, ajudam a tesouraria das explorações", mas quando estas já "estão em crise há três ou quatro meses", logo que começaram a adquirir alimentação para os animais.

Também a autorização para a abertura de furos de água chegou "fora de tempo" face à "burocracia sem pés, nem cabeça".

O dirigente alertou também que os apoios do Programa de Desenvolvimento Rural 2020 "não estão à disposição dos agricultores em tempo oportuno".

As dificuldades estendem-se também aos produtores de batata, para os quais foi anunciada, em julho, uma linha de crédito de três milhões de euros destinada a apoiar o armazenamento de produção resultante das alterações climáticas e do consequente excesso de produção, com as batatas portuguesas a concorrerem nos mercados com batatas do norte da Europa, o que não acontecia.

Contudo, três meses depois, "não há contratos a serem assinados ou, se estão a sê-lo, pelo menos o dinheiro ainda não está a chegar aos agricultores", alertou o presidente da CAP.

Para a CAP, mais do que aprovar medidas, é necessário criar condições para que, "com celeridade", as ajudas possam chegar a quem precisa.

FYC// ATR

Lusa/Fim

+ notícias: País

Fogo florestal provoca um morto em Mangualde

Uma pessoa morreu na sequência de um incêndio florestal que deflagrou no concelho de Mangualde ao início da tarde de hoje, disse à agência Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Viseu.

Tempo seco, temperaturas máximas elevadas e mínimas baixas até quarta-feira

O tempo seco vai continuar pelo menos até à próxima quarta-feira, altura em que poderá haver precipitação, disse à agência Lusa a meteorologista Maria João Frada, do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Pedrógão Grande: Associação de vítimas diz que apoio psicológico em Pedrógão Grande está a falhar

A Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande (AVIPG) denunciou hoje que a resposta psicológica está a falhar no terreno e defendeu um apoio especializado e porta a porta.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS