Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Contribuições sobre banca, energia, audivisual e farmacêuticas mantêm-se

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 13 out (Lusa) - As contribuições setoriais extraordinárias - banca, energia, audiovisual e sobre a indústria farmacêutica - vão manter-se no próximo ano, segundo uma versão preliminar da proposta de Orçamento de Estado para a 2018 (OE2018).

A contribuição sobre o setor bancário foi uma medida extraordinária instituída pelo executivo de José Sócrates em 2011, mas desde então todos os Governos a mantiveram e até aumentaram, sendo calculada sobre os passivos dos bancos e serve para financiar o Fundo de Resolução bancário, que consolida nas contas públicas.

Por outro lado, a CESE (contribuição extraordinária sobre o setor energético), em vigor desde 2014, está fixada em 0,85% sobre os ativos das empresas de energia, incidindo sobre a produção, transporte ou distribuição de eletricidade e de gás natural, bem como refinação, tratamento, armazenamento, transporte, distribuição ou comercialização grossista de petróleo e produtos de petróleo.

A CESE rendeu 208,7 milhões de euros entre 2016 e 2017, tendo um terço sido destinado à redução do défice tarifário, com o remanescente a entrar nas contas gerais do Orçamento do Estado, como adiantou na semana passada a Comissão Europeia, no relatório da 6.ª missão pós-programa a Portugal.

No último Programa de Estabilidade, o Governo contava encaixar 187 milhões com a Contribuição Extraordinária sobre o Setor Bancário, 120 milhões com a CESE e 14 milhões com a Contribuição sobre a Indústria Farmacêutica.

SP(IM/JNM/ND)// ATR

Lusa/fim

+ notícias: Política

CDU/Porto defende "medidas de emergência" para realojar famílias despejadas

A CDU/Porto defendeu este domingo a criação de “medidas de emergência” para realojar moradores despejados, desafiando o presidente da Câmara, Rui Moreira, a ser agora tão proativo como já foi em relação a outras matérias, como o Infarmed.

PSD questiona Governo sobre "abandono de mediação de conflitos" na Petrogal

O grupo parlamentar do PSD quer saber o motivo pelo qual o Governo “abandonou a mediação de conflitos” entre a administração da Petrogal, da Galp Energias, e os trabalhadores, que terminaram este sábado uma greve de cinco dias e meio.

Ministério da Administração Interna contraria denúncia da falta de meios dos GIPS

O Governo garante que todos os militares do GIPS, Grupo de Intervenção de Incêndios da GNR, dispõem neste momento do Equipamento de Proteção Individual completo com todos os elementos necessários ao combate aos incêndios. Esta é a resposta do Ministério da Administração Interna à denúncia da falta de meios feita por representantes militares.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

IV Festival de Guitarra de Amarante