Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Governo confirma morte de paramédico português em queda de avião em Angola

Governo confirma morte de paramédico português em queda de avião em Angola
| País
Porto Canal com Lusa

O governo português confirmou hoje a morte de um cidadão português em Angola, um paramédico bombeiro de 39 anos, na sequência da queda de um avião na tarde de quinta-feira, quando fazia o percurso da Lunda Norte para Luanda.

Fonte oficial do gabinete do Secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro, declarou à Lusa que o avião -- no qual seguiam sete pessoas, entre tripulantes e passageiros - "caiu cerca de 20 minutos depois de ter descolado" do Dundo, na província da Lunda Norte, a caminho de Luanda. Desconhecem-se, de momento, os motivos da queda do aparelho.

"O português falecido era um paramédico bombeiro de 39 anos", disse a mesma fonte, referindo também que o homem não estava ao serviço do Estado português.

A aeronave tinha partido do Dundo, no extremo leste de Angola, cerca das 16:00, com destino a Luanda, quando foi perdido o contacto, tinha declarado anteriormente à Lusa uma fonte da proteção civil angolana.

A Força Aérea Angolana (FAN) disponibilizou dois helicópteros para procurar os destroços do avião que estava ao serviço de uma empresa privada e que desapareceu a 200 quilómetros da cidade do Dundo.

De acordo com informação prestada pela FAN, os dois meios aéreos estão envolvidos nas operações desde o início da manhã, havendo registo da participação de uma avaria na aeronave desaparecida, antes de perder o contacto.

O Ministério dos Transportes de Angola convocou para esta tarde uma conferência de imprensa para dar mais explicações sobre este incidente.

+ notícias: País

Várias empresas suspendem apoios após escândalo na Raríssimas

A Raríssimas já está a sofrer penalizações depois do escândalo que envolve a ex-presidente. Há mecenas que estão a cortar nos apoios à instituição. Na delegação centro, pelo menos uma empresa suspendeu o donativo.

Caso Raríssimas deixa portugueses com 'o pé-atrás' sobre futuras doações a IPSS

                                 

Chuva pode parar megaoperação de abastecimento de água em Viseu

A chuva que tem vido a cair pode vir a suspender a megaoperação de abastecimento de água no distrito de Viseu. A autarquia já reduziu para dez o número de camiões cisterna que fazem o transporte de água. Depois da tempestade deste fim-de-semana, a barragem conseguiu arrecadar água para mais um mês.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS