Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Fim de espaço Schengen é fim da Europa - comissário europeu

| Política
Porto Canal com Lusa

Luxemburgo, 13 out (Lusa) -- O comissário europeu para os Assuntos Internos, Dimitris Avramopoulos, alertou hoje, no Luxemburgo, que o fim da livre-circulação no espaço Schengen seria fatal para a Europa.

"Partilhamos as inquietudes de alguns Estados-membros relativas a razões de segurança", declarou o comissário à entrada para uma reunião do Conselho de ministros dos Assuntos Internos da União Europeia, no Luxemburgo, acrescentando que "Schengen está vivo e deve continuar vivo, porque se morrer, a Europa morre".

A Alemanha, a Áustria, a Dinamarca e a França querem alterar as regras em vigor no espaço de livre circulação, que consideram obsoletas perante a ameaça terrorista, pedindo mais facilidade na reintrodução dos controlos nas suas fronteiras e que estes possam ser mais prolongados no tempo.

Atualmente, o Espaço Schengen abrange 26 países europeus (22 dos quais são Estados Membros da União Europeia): Bélgica, República Checa, Dinamarca, Alemanha, Estónia, Grécia, Espanha, França, Itália, Letónia, Lituânia, Luxemburgo, Hungria, Malta, Países Baixos, Áustria, Polónia, Portugal, Eslovénia, Eslováquia, Finlândia e Suécia, assim como a Islândia, o Liechtenstein, a Noruega e a Suíça.

IG // FPA

Lusa/fim

+ notícias: Política

CDU/Porto defende "medidas de emergência" para realojar famílias despejadas

A CDU/Porto defendeu este domingo a criação de “medidas de emergência” para realojar moradores despejados, desafiando o presidente da Câmara, Rui Moreira, a ser agora tão proativo como já foi em relação a outras matérias, como o Infarmed.

PSD questiona Governo sobre "abandono de mediação de conflitos" na Petrogal

O grupo parlamentar do PSD quer saber o motivo pelo qual o Governo “abandonou a mediação de conflitos” entre a administração da Petrogal, da Galp Energias, e os trabalhadores, que terminaram este sábado uma greve de cinco dias e meio.

Ministério da Administração Interna contraria denúncia da falta de meios dos GIPS

O Governo garante que todos os militares do GIPS, Grupo de Intervenção de Incêndios da GNR, dispõem neste momento do Equipamento de Proteção Individual completo com todos os elementos necessários ao combate aos incêndios. Esta é a resposta do Ministério da Administração Interna à denúncia da falta de meios feita por representantes militares.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.