Jornal Diário Jornal das 13

Hospitais de Coimbra querem reduzir o risco de AVC com intervenção sofisticada

| País
Porto Canal com Lusa

Coimbra, 13 out (Lusa) - A Unidade de Intervenção Cardiovascular do Hospital dos Covões, em Coimbra, pretende aumentar nos próximos anos o número de intervenções de encerramento do apêndice auricular esquerdo como solução para baixar o risco de acidentes cardiovasculares cerebrais (AVC).

"Estamos a falar de uma intervenção bastante sofisticada, que se integra na estratégica de promover a elevada diferenciação dos procedimentos e da oferta de tratamentos e diagnósticos aos doentes, e que tem sempre à frente a primazia da qualidade", disse à agência Lusa Lino Gonçalves, diretor do serviço de cardiologia daquele hospital integrado no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC).

O AVC é um problema de saúde pública "gravíssimo", que é a primeira causa de incapacidade prolongada dos doentes em Portugal, sendo que mais de 20% dos casos "tem uma relação direta com a fibrilhação auricular", explicaram os médicos Lino Gonçalves e Marco Costa.

"Uma parte substancial desses AVC tem origem cardioembólica, ou seja há um trombo que sai do coração e pode obstruir uma artéria no cérebro. Este cardioembolismo tem muito a ver com a fibrilhação auricular (arritmia), que afeta mais de 140.000 pessoas em Portugal (cerca de 2,5% da população com mais de 40 anos)", precisou Marco Costa.

Segundo o cardiologista, esta arritmia é tratada com fármacos anticoagulantes, que são a "primeira escolha" para os doentes, embora, "infelizmente, tenham alguns problemas e contraindicações", que impedem alguns doentes de beneficiar desta terapêutica.

Os doentes que não podem beneficiar dos fármacos anticoagulantes podem sujeitar-se à intervenção de encerramento do apêndice auricular esquerdo, onde, "de acordo com os estudos, 90% dos trombos podem ter origem".

"Se encerrarmos este apêndice auricular esquerdo, estamos a ajudar a que não se formem os trombos que podem causar um AVC", frisou.

Este tipo de intervenção teve início há seis anos no Serviço de Cardiologia do Hospital dos Covões, quando estava a começar "em todo o mundo", e, em setembro, atingiu o número 100.

O cardiologista Marco Costa salienta que os resultados hoje são francamente satisfatórios devido ao amadurecimento e simplificação da técnica, que permite atualmente uma taxa de complicações "muitíssimo baixa e uma probabilidade de benefício do doente muitíssimo alta, nomeadamente quanto à redução dos AVC e complicações hemorrágicas".

Mas o objetivo é aumentar o número de intervenções para 50 por ano, sublinhou o médico, que considera o número atual de intervenções "muito aquém", quando o serviço tem capacidade de resposta para "fazer mais e melhor".

"Cinquenta intervenções por ano na zona Centro parece-nos que seria uma boa resposta para as necessidades", perspetivou.

Associada à questão da diferenciação e da qualidade desta intervenção, o diretor do serviço de cardiologia B do Hospital dos Covões realçou também a internacionalização do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra na abertura de dois centros em França e na Bélgica, "onde estão a ser utilizadas algumas técnicas usadas como rotina neste serviço, nomeadamente nesta área do encerramento dos apêndices do auricular esquerdo".

Lino Gonçalves destacou ainda que aquela unidade é um dos quatro Centros de Referência Nacional em Intervenção Estrutural e, desde há vários anos, um centro de treino nacional e internacional, por onde já passaram cerca de três dezenas de médicos de vários países europeus.

"Face aos relevantes resultados obtidos, tendo como razão primeira o elevado empenho e saber de profissionais integrados numa equipa altamente motivada, reitero o firme apoio a esta área de intervenção", realçou o presidente do conselho de administração do CHUC.

De acordo com Fernando Regateiro, "é com atividades diferenciadas e de qualidade como esta, que se constrói, no dia-a-dia, a confiança dos doentes e se garante o futuro sustentável do CHUC".

AMV // SSS

Lusa/fim

+ notícias: País

SEF alerta para aumento de indocumentados e "fortes indícios" de tráfico de menores

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) destacou hoje o aumento do número de cidadãos estrangeiros que chegam indocumentados aos aeroportos portugueses, muitos deles com crianças menores, e alertou para “fortes indícios” de casos de tráfico.

INEM revela que mais de 1200 menores entraram em coma alcoólico em 2017

O Governo lançou esta sexta-feira uma campanha de sensibilização para alertar os jovens em relação ao consumo de álcool excessivo antes e depois dos 18 anos.

Cancro de pele está a aumentar em Portugal

O cancro de pele esta a aumentar em Portugal. A Associação Portuguesa de Cancro Cutâneo estima que haja 12 mil novos casos de cancro por ano. Este tipo de cancro mata anualmente 250 portugueses.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.