Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

WWF insiste em criação de área protegida na Antártida após morte em massa de pinguins

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Sydney, Austrália, 13 out (Lusa) -- O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) insistiu hoje na criação de uma área marinha protegida na Antártida Oriental após a morte em massa de crias de uma colónia de pinguins-de-adélia no início do ano.

Apenas dois sobreviveram na última temporada de reprodução nesta colónia que conta com 36.000 exemplares de pinguins-de-adélia (Pygoscelis adeliae) que se alimentam principalmente de krill (pequenos crustáceos) encontrado perto do seu habitat em Terra Adélia na Antártida Oriental.

As mortes foram associadas à extensão incomum das camadas de gelo até ao final do verão, o que obrigou os pinguins adultos a percorrerem distâncias maiores para procurar comida para as suas crias. Devido às longas viagens e ao tempo de espera, as crias morreram de fome, explicou a organização não-governamental de defesa do ambiente.

Este incidente, a par com um outro, idêntico, ocorrido há quatro anos, levou a WWF a pedir a proteção das águas da Antártida Oriental nas vésperas da reunião anual da Comissão para a Conservação dos Recursos Marinhos Vivos da Antártida (CCAMLR), que se realiza na próxima semana na cidade australiana de Hobart e que irá analisar as propostas para a criação de áreas protegidas na zona.

"O risco de abrir esta área à exploração da pesca de krill", que desfalcaria a base alimentar dos pinguins-de-adélia, enquanto "tentam recuperar-se de dois catastróficos fracassos reprodutivos em quatro anos é impensável", afirmou o chefe dos programas polares da WWF, Rob Downie.

"Por isso, a CCAMLR precisa atuar com rapidez e adotar uma nova área marinha protegida nas águas em frente à costa da Antártida Oriental para proteger a casa destes pinguins", argumentou o ativista.

A proposta para a criação desta área marinha protegida na Antártida Oriental, liderada pela Austrália, França e União Europeia, tem estado em cima da mesa durante oito anos sem que se tenha alcançado um acordo.

A CCAMLR, criada em 1982, tem como missão a conservação dos recursos da vida marinha no Antártico.

DM // EJ

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Novo ataque a aldeia remota faz cinco mortos e destrói 120 casas em Moçambique

Um grupo armado atacou na noite de sexta-feira uma aldeia remota do norte de Moçambique, Maganja, onde matou cinco pessoas e incendiou 120 casas ao mesmo tempo que saqueava a povoação, disse à Lusa fonte das autoridades.

Cinco mortos em ataques das forças da ordem na Nicarágua

Manágua, 23 jun (Lusa) -- Pelo menos cinco pessoas, entre as quais um bebé de 15 meses, foram mortas hoje durante operações das forças policiais e paramilitares em Manágua, indicou um grupo de defesa dos direitos humanos.

Migrações: Quase 800 imigrantes resgatados na costa espanhola

Madrid, 23 jun (Lusa) -- O número de imigrantes resgatados ao longo o dia de hoje em várias zonas da costa espanhola aumentou para 769, informou a força espanhola Salvamento Marítimo.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.