Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Origem criminosa é "mito" que desresponsabilizou a sociedade - relatório

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 12 out (Lusa) -- A ideia de que a maior parte dos incêndios florestais tem origem criminosa é "um mito profusamente difundido pela comunicação social" e "inadvertidamente" aproveitado por alguns políticos, o que contribuiu para uma "desresponsabilização da sociedade", alerta o relatório hoje divulgado.

O relatório da comissão técnica independente designada para analisar os fogos de junho na região Centro afirma que o facto de se continuar a passar a ideia de que a maior parte das ignições resulta de atos dolosos tem contribuído para que Portugal apresente "um elevadíssimo número de ignições quando comparado com os restantes países do Sul da Europa", sendo que 98% das ignições que originam incêndios têm origem humana, mas na sua maior parte por negligência e acidentes.

"É mais cómodo culpar 'criminosos' desconhecidos do que assumir a nossa responsabilidade e evitar comportamentos de risco", sublinha o relatório, frisando que, entre 2010 e 2015, Portugal registou anualmente seis vezes mais ignições por cada 1.000 habitantes que Espanha e mais 19 vezes que a Grécia.

Para os técnicos, este é sobretudo "um problema de educação, sensibilização, consciencialização e responsabilização", pelo que criticam o "alheamento" por parte da Administração, de que é exemplo a "forte redução do orçamento dedicado a campanhas de sensibilização" ocorrida este ano.

No capítulo intitulado "Envolver a sociedade no problema dos incêndios -- a questão das ignições", a comissão propõe a revisão da estratégia nacional de prevenção das ignições "através da inclusão de ações no terreno, especificamente dedicadas aos diferentes grupos responsáveis por essas ignições", com a participação dos diferentes agentes locais.

Por outro lado, propõe "envolver a comunicação social, para que seja parte da solução em vez de ser parte do problema", considerando ser possível, "dentro do quadro legal", chegar a acordo para que deixe de "fomentar o mito do fogo posto" e passe a "contribuir para a prevenção de comportamentos de risco".

Em concreto, sugere que as "reportagens espetáculo" sejam substituídas pela "produção de informação útil", como "uma comunicação rápida e abrangente" sobre "comportamentos de risco, alertas e medidas de autoproteção, dirigidas para públicos específicos ou para pessoas localizadas em áreas determinadas".

O fogo que deflagrou em Pedrógão Grande no dia 17 de junho só foi extinto uma semana depois, tal como o incêndio que teve início em Góis (distrito de Coimbra). Os dois fogos, que consumiram perto de 50 mil hectares em conjunto, mobilizaram mais de mil operacionais no combate às chamas.

O incêndio que deflagrou Pedrógão Grande, tendo alastrado a vários municípios vizinhos, causou 64 mortos e mais de 200 feridos.

MLL // MLS

Lusa/Fim

+ notícias: País

Produtores do nordeste algarvio estão endividados e reclamam medidas para enfrentar a seca

Os produtores do nordeste algarvio, no distrito de Faro, reclamam medidas urgentes do Governo para enfrentar a seca e dizem que a falta de água naquele território está a fazer com que muitos fiquem endividados.

Identificados 70 bares e discotecas que representam risco de segurança pública

A PSP e a GNR identificaram 70 bares e discotecas em Lisboa, Porto e Albufeira, que representam risco para a segurança pública, no âmbito de uma avaliação pedida pelo Ministério da Administração Interna, em dezembro.

Portugueses compraram em 2017 mais 1,4 milhões de medicamentos do que em 2016

O Estado pagou mais de 24 milhões de euros pelas comparticipações dos medicamentos vendidos nas farmácias no ano passado. Os dados foram revelados pelo Infarmed que dá ainda conta de que no ano anterior, os portugueses compraram mais 150 milhões de embalagens de medicamentos.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS