Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Comissão propõe criação de Agência para a Gestão Integrada dos Fogos Rurais

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 12 out (Lusa) -- A criação de uma Agência para a Gestão Integrada dos Fogos Rurais, constituída por unidades que atuem "até ao nível regional/distrital", é defendida no relatório da comissão técnica independente que analisou os incêndios de junho na região Centro.

O relatório, que foi hoje tornado público e entregue no parlamento, refere que "em cada região deverão existir equipas de especialistas operacionais de apoio à intervenção", sendo que "a alocação do número de técnicos às equipas distritais deverá ser feita em função do risco de incêndio florestal".

"As equipas distritais terão mobilidade para todo o território nacional (continente e ilhas), deslocando-se sempre que necessário para ações de prevenção, pré-supressão ou supressão para outros distritos, substituindo ou reforçando localmente o dispositivo", explica.

No entender da comissão, esta agência deverá ser criada na dependência direta da presidência do Conselho de Ministros e, "para maior garantia de independência e estabilidade", ter "um conselho técnico consultivo e de avaliação composto por peritos".

Fariam parte desta agência "especialistas com formação de base ao nível das licenciaturas relacionadas com a organização, gestão e proteção do território, designadamente da engenharia florestal ou outras que sejam consideradas necessárias, com especialização em incêndios florestais".

Segundo a comissão técnica independente, existem "duas grandes possibilidades para se melhorar a eficácia do sistema nacional de defesa da floresta contra incêndios", nomeadamente "a sua reformulação completa refazendo estruturas e investimentos" ou "a sua transformação progressiva pelo reforço da transparência e da especialização, alicerçada nos investimentos e estruturas existentes".

A proposta da comissão enquadra-se na segunda possibilidade, "explorando o que existe em termos organizacionais e de meios alocados, aproveitando as suas virtudes e tentando colmatar os seus defeitos".

"As propostas de melhoria da eficácia têm em consideração os esforços financeiros e organizativos realizados, numa perspetiva de rentabilização dos recursos, de eficiência de resultados e também do tempo necessário para a sua obtenção", explica.

Segundo a proposta, "os recursos e as organizações atualmente existentes mantêm a sua estabilidade organizacional, pelo menos numa fase inicial, defendendo-se que sejam colmatadas as principais lacunas ao nível do planeamento, da integração e interação entre entidades e intervenções, da estratégia, inteligência e avaliação do sistema".

"Esta perspetiva de estabilidade e manutenção organizacional implica, não obstante, a criação de uma nova entidade que, de forma autónoma, transversal e hierarquicamente superior, monitorize e assegure a implementação das lacunas identificadas", considera.

Esta entidade "deverá ter duas componentes principais", sendo uma no âmbito "da avaliação de políticas, planeamento e finanças" e outra "do conhecimento, estratégias e operações", acrescenta.

AMF // ROC

Lusa/fim

+ notícias: País

Produtores do nordeste algarvio estão endividados e reclamam medidas para enfrentar a seca

Os produtores do nordeste algarvio, no distrito de Faro, reclamam medidas urgentes do Governo para enfrentar a seca e dizem que a falta de água naquele território está a fazer com que muitos fiquem endividados.

Identificados 70 bares e discotecas que representam risco de segurança pública

A PSP e a GNR identificaram 70 bares e discotecas em Lisboa, Porto e Albufeira, que representam risco para a segurança pública, no âmbito de uma avaliação pedida pelo Ministério da Administração Interna, em dezembro.

Portugueses compraram em 2017 mais 1,4 milhões de medicamentos do que em 2016

O Estado pagou mais de 24 milhões de euros pelas comparticipações dos medicamentos vendidos nas farmácias no ano passado. Os dados foram revelados pelo Infarmed que dá ainda conta de que no ano anterior, os portugueses compraram mais 150 milhões de embalagens de medicamentos.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS