Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Costa reúne-se quarta-feira com Associação dos Familiares das Vítimas

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 12 out (Lusa) - O primeiro-ministro afirmou hoje que se vai reunir na próxima quarta-feira com a Associação dos Familiares das Vítimas do incêndio de Pedrógão Grande para ouvir a posição desta entidade sobre o relatório da Comissão Técnica Independente.

Esta reunião com a Associação dos Familiares das Vítimas foi transmitida aos jornalistas por António Costa após ter recebido em audiência em São Bento (Lisboa) o presidente da Comissão Técnica Independente aos incêndios de Pedrógão Grande e Góis, tendo ao seu lado os ministros da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, e da Agricultura, Capoulas Santos.

António Costa adiantou ainda que, na próxima semana, será apresentado um outro relatório, este do professor Francisco Xavier Viegas, sobre a dinâmica do fogo.

"Na próxima semana, o Governo estará em condições de tomar decisões. As responsabilidades que estiverem apuradas terão de ter as devidas consequências, sejam elas quais forem. As recomendações formuladas devem ser executadas - e é essa a nossa função", insistiu.

Questionado sobre a exigência de indemnizações do Estado feita pelos familiares das vítimas do incêndio de Pedrógão Grande, o primeiro-ministro recusou-se a antecipar conclusões.

"Na nota [da Comissão Técnica Independente] enviada à comunicação social são apontadas falhas concretas ao comando da Proteção Civil na fase inicial da operação e são descritas outras falhas. São registados também alguns fenómenos, designadamente aqueles que estiveram imediatamente associados ao momento da generalidade das vítimas mortais, mas não podemos tirar conclusões definitivas. Devemos ler o relatório e eu próprio quero ouvir o que as famílias das vítimas têm a dizer sobre a matéria", justificou.

Neste ponto, o primeiro-ministro frisou depois que há ainda um inquérito crime a decorrer.

"Esse inquérito crime, naturalmente, não está limitado pelas conclusões desta Comissão Técnica Independente" sobre os incêndios de Pedrógão Grande e Góis, acrescentou António Costa.

O fogo que deflagrou em Pedrógão Grande no dia 17 de junho só foi extinto uma semana depois, tal como o incêndio que teve início em Góis. Os dois fogos, que consumiram perto de 50 mil hectares em conjunto, mobilizaram mais de mil operacionais no combate às chamas.

O incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande, tendo alastrado a vários municípios vizinhos, causou pelo menos 64 mortos e cerca de 200 feridos.

PMF // ZO

Lusa/fim

+ notícias: País

Incêndios: Das 44 vítimas mortais, cinco estão por identificar

Cinco das 44 pessoas que morreram nos incêndios florestais que deflagraram há uma semana, em várias zonas do país, estão ainda por identificar, revelou hoje o Instituto Nacional de Medicina Legal (INML).

Manifestantes envolvem-se em desacatos em Lisboa

Vários manifestantes envolveram-se este sábado em cenas de pancadaria na Praça do Comércio, em Lisboa, onde, pelas 16h15, teve início um protesto em defesa da floresta e homenagem aos mortos nos incêndios deste ano.

Proteção Civil alerta para condições favoráveis a fogos florestais na próxima semana

O "tempo quente e seco", previsto para a próxima semana, oferece as "condições favoráveis à ocorrência e propagação de incêndios florestais", alertou este sábado a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

Consultório

Como prevenir a gripe - medicamentos e...

Nota Alta

Mazgani - "The Faintest Light"