Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Descongelamento das progressões acaba em 2019 e vai ser feito em três fases

Descongelamento das progressões acaba em 2019 e vai ser feito em três fases
| Política
Porto Canal com Lusa

Os funcionários públicos vão receber no próximo ano um terço do valor da progressão na carreira, sendo o restante acréscimo remuneratório pago em dois momentos em 2019, segundo a proposta do Governo enviada esta madrugada aos sindicatos, a que a Lusa teve acesso.

De acordo com o documento do Ministério das Finanças que esta tarde vai ser discutido com os sindicatos, o descongelamento das carreiras será feito em dois anos e não em quatro como inicialmente se previa, mas em 2019 o pagamento será faseado, sendo efetuado em janeiro e dezembro.

Na prática, haverá três pagamentos. Em janeiro de 2018 os funcionários públicos com direito a progredir recebem um terço (33%) do acréscimo remuneratório e, em janeiro de 2019 recebem mais um terço (33%) e só em 01 de dezembro desse ano terão direito aos 100%.

A proposta do Governo prevê ainda uma novidade face ao proposto inicialmente: quando o acréscimo remuneratório corresponda a um determinado valor, ainda por definir, não será aplicado o faseamento do pagamento das progressões.

Segundo explicou à Lusa o dirigente da Federação dos Sindicatos da Administração Pública (FESAP), José Abraão, a garantia de um valor mínimo acautela situações de carreiras subsistentes que, devido ao faseamento, "teriam acréscimos ridículos, de dois ou três euros".

O valor mínimo era uma reivindicação da FESAP e deverá ficar definido nas reuniões desta tarde com a equipa das Finanças, disse o sindicalista.

Para José Abraão, a nova proposta do Governo "é positiva, mas insuficiente" pois continua a prever o faseamento do pagamento das progressões, medida que a FESAP "sempre recusou".

+ notícias: Política

Marcelo Rebelo de Sousa deixa hospital de Braga e cancela agenda do fim de semana

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, já deixou o hospital de Braga onde foi observado depois de se ter sentido mal ao final da manhã, tendo o próprio explicado aos jornalistas que teve uma gastroenterite aguda e anunciado o cancelamento da restante agenda para o fim de semana.

Jerónimo de Sousa diz que não “assina de cruz” o Orçamento do Estado para 2019

O secretário-geral do PCP afirmou, na sexta-feira ao fim da noite, que não irá "assinar de cruz" o Orçamento do Estado (OE) para 2019 e lembrou que não se pode pronunciar sobre algo que ainda não existe.

Rui Rio diz que não fala de "questões internas" do PSD em circunstância alguma

O presidente do PSD salientou esta sexta-feira que não fala sobre “questões internas” do partido “em circunstância nenhuma”, quando questionado sobre se houve falta de concertação entre a bancada e a direção na aprovação do projeto do CDS-PP sobre combustíveis.

Atualizado 23-06-2018 11:58

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS