Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Passos acusa Governo de "autoritarismo" e questiona se Marcelo está a par do relatório do furto de Tancos

| Política
Porto Canal com Lusa

O líder do PSD acusou o Governo de "tiques de autoritarismo" por ocultar ao parlamento informações sobre o furto de material de guerra em Tancos e questionou se o Presidente da República está a par do relatório divulgado este sábado.

Atualizado 23-09-2017 20:12

À margem de um almoço de apoio ao candidato do partido à Câmara Municipal de Marco de Canaveses, José Mota, Pedro Passos Coelho referiu-se ao relatório dos serviços de informações militares hoje noticiado pelo Expresso sobre o furto de armas em Tancos que, segundo o jornal, "arrasa ministro e militares".

"Não sei se senhor Presidente da República está a par do que se passa, mas o parlamento não sabe de nada, temos de comprar o Expresso ao sábado para saber o que se passa com o Orçamento, para saber o que passa com os paióis militares, para termos as notícias que o Governo tem a obrigação de prestar ao parlamento?", questionou.

Passos Coelho lembrou que também já pediu publicamente ao governo a divulgação do relatório do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras sobre a alteração à lei da imigração, até agora sem resposta.

"Viram-no? Eu ainda não vi. Este Governo tem tiques de autoritarismo, é este o nome que temos de dar a estes comportamentos", acusou, defendendo que o Governo tem de prestar informação ao parlamento sobre matérias graves como as que citou.

Para o líder social-democrata, "o Governo, a começar no primeiro-ministro e a acabar nos ministros, ocultam informação que têm e pelos vistos ainda dão ralhetes" a deputados no parlamento, referindo-se a uma parte da notícia do Expresso, segundo a qual António Costa teria admoestado os deputados socialistas da Comissão de Defesa por não terem defendido o ministro Azeredo Lopes.

A este propósito, Passos Coelho lamentou que os partidos que apoiam o Governo "se ouçam tão fininho".

"Se tivesse acontecido num governo PSD teria havido uma gritaria enorme. Que diferença, que diferença", lamentou.

Passos Coelho salientou que o ministro da Defesa, Azeredo Lopes, já deu entrevistas, já foi ao parlamento, mas ainda não esclareceu o que se passou com o furto de material de guerra em Tancos há mais de dois meses.

"Numa coisa grave para a segurança do país, da Europa, o ministro ou desconversa ou não diz nada", criticou Passos Coelho, estendendo ao resto do Governo a acusação de "desrespeitar" a Assembleia da República e contrapondo que, quando era ele próprio primeiro-ministro, "ia ao parlamento prestar contas".

Passos Coelho lembrou que a Presidência da República é "um órgão de soberania com um papel relevante em matéria de defesa nacional", questionando se Marcelo Rebelo de Sousa está a par do relatório que deixa "graves acusações quer ao poder político, quer à própria instituição".

O semanário Expresso divulga hoje um relatório dos serviços de informações militares que avança para cenários "muito prováveis" de roubo de armamento em Tancos, a 29 de junho, e deixa duras críticas à atuação do ministro da Defesa Nacional.

Segundo o semanário, o "tráfico de armas para África, em concreto Guiné-Bissau ou Cabo Verde, ou um assalto promovido por mercenários portugueses contratados, ou ainda por grupos jihadistas" são os três cenários apontados no relatório, enviado à Unidade Nacional de Contraterroristas da Polícia Judiciária e aos Serviços de Informação e Segurança (SIS).

O relatório refere que o ministro atuou com grande "ligeireza, quase imprudente", sendo-lhe apontadas "declarações arriscadas e de intenções duvidosas" e uma "atitude de arrogância cínica" na condução de todo o processo.

+ notícias: Política

Ministro Vieira da Silva diz-se de consciência tranquila sobre o caso Raríssimas

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social disse hoje estar de consciência tranquila sobre o caso da associação Raríssimas e garantiu que nunca teve qualquer conhecimento sobre irregularidades nas contas da associação.

Maratona negocial de pescas com resultado bastante favorável para Portugal

A ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, destacou hoje o "resultado bastante favorável" da maratona de quase 24 horas de negociações sobre as pescas para 2018, face às expectativas de Portugal, nomeadamente na redução da pescada.

Costa aceita demissão de Manuel Delgado e propõe Rosa Zorrinho para secretária de Estado da Saúde

O primeiro-ministro aceitou hoje o pedido de exoneração de Manuel Delgado do cargo de secretário de Estado da Saúde e propôs para o seu lugar Rosa Matos, refere uma nota oficial do Governo.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS