Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Passos acusa Governo de "autoritarismo" e questiona se Marcelo está a par do relatório do furto de Tancos

| Política
Porto Canal com Lusa

O líder do PSD acusou o Governo de "tiques de autoritarismo" por ocultar ao parlamento informações sobre o furto de material de guerra em Tancos e questionou se o Presidente da República está a par do relatório divulgado este sábado.

Atualizado 23-09-2017 20:12

À margem de um almoço de apoio ao candidato do partido à Câmara Municipal de Marco de Canaveses, José Mota, Pedro Passos Coelho referiu-se ao relatório dos serviços de informações militares hoje noticiado pelo Expresso sobre o furto de armas em Tancos que, segundo o jornal, "arrasa ministro e militares".

"Não sei se senhor Presidente da República está a par do que se passa, mas o parlamento não sabe de nada, temos de comprar o Expresso ao sábado para saber o que se passa com o Orçamento, para saber o que passa com os paióis militares, para termos as notícias que o Governo tem a obrigação de prestar ao parlamento?", questionou.

Passos Coelho lembrou que também já pediu publicamente ao governo a divulgação do relatório do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras sobre a alteração à lei da imigração, até agora sem resposta.

"Viram-no? Eu ainda não vi. Este Governo tem tiques de autoritarismo, é este o nome que temos de dar a estes comportamentos", acusou, defendendo que o Governo tem de prestar informação ao parlamento sobre matérias graves como as que citou.

Para o líder social-democrata, "o Governo, a começar no primeiro-ministro e a acabar nos ministros, ocultam informação que têm e pelos vistos ainda dão ralhetes" a deputados no parlamento, referindo-se a uma parte da notícia do Expresso, segundo a qual António Costa teria admoestado os deputados socialistas da Comissão de Defesa por não terem defendido o ministro Azeredo Lopes.

A este propósito, Passos Coelho lamentou que os partidos que apoiam o Governo "se ouçam tão fininho".

"Se tivesse acontecido num governo PSD teria havido uma gritaria enorme. Que diferença, que diferença", lamentou.

Passos Coelho salientou que o ministro da Defesa, Azeredo Lopes, já deu entrevistas, já foi ao parlamento, mas ainda não esclareceu o que se passou com o furto de material de guerra em Tancos há mais de dois meses.

"Numa coisa grave para a segurança do país, da Europa, o ministro ou desconversa ou não diz nada", criticou Passos Coelho, estendendo ao resto do Governo a acusação de "desrespeitar" a Assembleia da República e contrapondo que, quando era ele próprio primeiro-ministro, "ia ao parlamento prestar contas".

Passos Coelho lembrou que a Presidência da República é "um órgão de soberania com um papel relevante em matéria de defesa nacional", questionando se Marcelo Rebelo de Sousa está a par do relatório que deixa "graves acusações quer ao poder político, quer à própria instituição".

O semanário Expresso divulga hoje um relatório dos serviços de informações militares que avança para cenários "muito prováveis" de roubo de armamento em Tancos, a 29 de junho, e deixa duras críticas à atuação do ministro da Defesa Nacional.

Segundo o semanário, o "tráfico de armas para África, em concreto Guiné-Bissau ou Cabo Verde, ou um assalto promovido por mercenários portugueses contratados, ou ainda por grupos jihadistas" são os três cenários apontados no relatório, enviado à Unidade Nacional de Contraterroristas da Polícia Judiciária e aos Serviços de Informação e Segurança (SIS).

O relatório refere que o ministro atuou com grande "ligeireza, quase imprudente", sendo-lhe apontadas "declarações arriscadas e de intenções duvidosas" e uma "atitude de arrogância cínica" na condução de todo o processo.

+ notícias: Política

"É justificável que se peça desculpa". Marcelo adverte que usará todos os poderes contra fragilidade do Estado

O Presidente da República advertiu esta terça-feira que usará todos os seus poderes contra a fragilidade do Estado que considerou existir face aos incêndios que mataram mais de 100 pessoas, e defendeu que se justifica um pedido de desculpa.

Ângelo Moura promete não se "apoiar em desculpas" e trabalhar de "forma realista"

Ângelo Moura, recém eleito Presidente da Câmara Municipal de Lamego, afirma que conhece a realidade da "capacidade financeira do município" lamecense e que esta capacidade, que considera curta, não vai permitir à autarquia "ter grandes ambições de execução de obra" mas que não se vai usar o tema como "desculpa".

Emídio Sousa deixa Conselho Metropolitano do Porto com sentimento de objetivo cumprido

O presidente do Conselho Metropolitano do Porto, Emídio Sousa, disse esta terça-feira de manhã que o seu mandato terminou por ser consensual que quem ganha na área metropolitana, neste caso o Partido Socialista, deve liderar a estrutura.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

Nota Alta

Mazgani - "The Faintest Light"