Info

Centeno entende reivindicações dos enfermeiros mas lembra restrições orçamentais

| País
Porto Canal com Lusa

Talin, 15 set (Lusa) -- O ministro das Finanças admitiu hoje, em Talin, que as reivindicações dos enfermeiros são "muito importantes" e "têm que ser ouvidas", afirmando-se confiante num entendimento, mas que respeite a "responsabilidade orçamental", pois o país ainda se debate com restrições.

À entrada para uma reunião informal de ministros das Finanças da zona euro, na capital da Estónia, Mário Centeno, questionado sobre os protestos dos enfermeiros (promovido Sindicato dos Enfermeiros e pelo Sindicato Independente do Profissionais de Enfermeiros), que cumprem hoje o último de cinco dias de greve em Portugal, disse entender as reivindicações, lembrando que algumas têm já "décadas", mas apontou também que "muito tem sido feito pela valorização da administração pública, pelas carreiras", incluindo neste setor.

"Há uma negociação em curso, na qual o Governo está naturalmente empenhado. Aquilo que é preciso compreender, e tenho a certeza que todos entenderão, é que o Governo tem feito um esforço muito grande", disse, apontando a título de exemplo que "o crescimento de enfermeiros no último ano e meio é muito significativo, para fazer face às necessidades do Serviço Nacional de Saúde (SNS)".

Segundo o ministro das Finanças, "há dificuldades específicas em setores determinados, que são já de várias décadas, e que não podem deixar de ser ouvidas e analisadas", e que, "em sede orçamental, têm necessariamente que ser integradas".

"Aquilo que eu posso garantir, do ponto de vista do Governo, é que a responsabilidade orçamental é muito grande, que todas e todos os portugueses têm exatamente essa perceção e que vamos com certeza chegar a uma plataforma de entendimento e de compressão de como fazer face a reivindicações que são de facto muito importantes e que, como eu disse, têm várias décadas em alguns casos", reforçou.

Por outro lado, Mário Centeno argumentou que, quando se fala de uma sociedade inclusiva e de um crescimento inclusivo, está-se "obviamente a falar de uma sociedade e de um crescimento que é de todos e para todos, e é nesse perspetiva que tem que ser entendido", pelo que "não há uma hierarquização de prioridades que não possa deixar de ter em conta toda a restrição que objetivamente ainda existe sobre o país".

Os enfermeiros cumprem hoje o último de cinco dias de greve nacional e juntam aos vários protestos que têm realizado pelo país uma concentração junto à Assembleia da República, no dia em que se comemoram os 38 anos da criação do SNS.

Durante os quatro primeiros dias de greve a adesão dos profissionais tem andado em valores entre os 80 e os 90%, segundo o Sindicato dos Enfermeiros, que marcou a paralisação em conjunto com o Sindicato Independente dos Profissionais de Enfermagem.

Várias cirurgias programadas foram adiadas e muitas consultas canceladas.

Os enfermeiros reivindicam a introdução da categoria de especialista na carreira de enfermagem, com respetivo aumento salarial, bem como a aplicação do regime das 35 horas de trabalho para todos os enfermeiros, mas a Secretaria de Estado do Emprego considerou irregular a marcação desta greve, alegando que o pré-aviso não cumpriu os dez dias úteis que determina a lei.

Esta irregularidade da marcação determinada pelo Governo pode levar à marcação de faltas injustificadas aos enfermeiros que aderiram ao protesto.

O braço de ferro entre enfermeiros e Ministério da Saúde prolonga-se desde julho, com a reivindicação da integração da categoria de especialista na carreira.

Depois do Sindicato dos Enfermeiros e do Sindicato Independente do Profissionais de Enfermeiros, na quinta-feira, o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) decidiu também convocar uma greve para 03, 04 e 05 de outubro.

ACC (ARP) // SB

Lusa/fim

+ notícias: País

Ministro acusa Liga dos Bombeiros de ser "absolutamente irresponsável"

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, acusou este domingo a Liga dos Bombeiros Portugueses de ser “absolutamente irresponsável” por poder colocar em causa a segurança das pessoas ao abandonar a Autoridade de Proteção Civil (ANPC).

Atualizado 09-12-2018 13:55

Fim das faturas em papel pouparia 280 mil árvores de serem cortadas por ano

O fim das faturas em papel poderá significar menos 281 mil árvores cortadas por ano, o equivalente a uma floresta do tamanho de 281 campos de futebol, segundo uma estimativa da associação ambientalista Zero.

Sete distritos com aviso amarelo a partir das 14h00 devido a agitação marítima

Sete distritos portugueses vão estar sob aviso amarelo devido a agitação marítima das 14h00 deste domingo até às 08h00 de segunda-feira, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS