Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Taxas Euribor mantêm-se a 3, 6 e 9 meses e batem mínimos a 12 meses

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 14 set (Lusa) -- As taxas Euribor mantiveram-se hoje inalteradas nos prazos a três, seis e nove meses, enquanto a 12 meses bateram um novo mínimo histórico.

A Euribor a três meses, em valores negativos desde 21 de abril de 2015, manteve-se hoje face a quarta-feira nos -0,329%, o que compara com o atual mínimo de sempre, de -0,332%, registado pela primeira vez em 10 de abril.

A seis meses, a taxa Euribor, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação e que entrou em terreno negativo pela primeira vez em 06 de novembro de 2015, fixou-se também no valor da sessão anterior, de -0,272%.

O mínimo de sempre neste prazo foi verificado em 08 de setembro, de -0,275%.

A nove meses, a Euribor tem hoje o mesmo valor de quarta-feira, de -0,219%, quando atingiu um mínimo histórico.

Já no prazo de 12 meses, a taxa Euribor, que desceu para valores abaixo de zero pela primeira vez em 05 de fevereiro de 2015, atingiu hoje um novo mínimo de sempre, ao fixar-se nos -0,171%.

Depois de ter sido fixada em valores negativos entre 27 de novembro e 03 de dezembro de 2015, a Euribor a nove meses voltou para níveis abaixo de zero em 07 de janeiro de 2016, nos quais se tem mantido desde então.

As Euribor são fixadas pela média das taxas às quais um conjunto de 57 bancos da zona euro está disposto a emprestar dinheiro entre si no mercado interbancário.

IM // MSF

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Lei do alojamento local deve distinguir iniciativas individuais de empresariais

Lisboa, 20 jan (Lusa) -- O regime legal do alojamento local deve distinguir iniciativas de natureza individual de iniciativas de natureza empresarial, defende o estudo "Novas dinâmicas urbanas do centro histórico de Lisboa", apresentado hoje, que propõe ainda uma maior intervenção dos municípios.

'Made in Portugal' representa "mais valor acrescentado"

Paris, 20 jan (Lusa) - O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, defendeu hoje, em Paris, que os setores do mobiliário e dos têxteis-lar são "exemplos da modernização" em Portugal e que o país representa atualmente "mais valor acrescentado".

Conselho de Estado pede atenção à coesão nas negociações de fundos europeus

Lisboa, 19 jan (Lusa) -- O Conselho de Estado analisou hoje o tema do Portugal pós-2020 e defendeu que as "complexas negociações" do próximo quadro de fundos europeus devem ter em atenção a coesão económica, social e territorial.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.