Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Mação avança com participação à IGAI para apuramento de responsabilidades

| País
Porto Canal com Lusa

Mação, Santarém, 13 set (Lusa) - A Câmara de Mação decidiu hoje avançar com uma participação à Inspeção Geral de Administração Interna (IGAI) para apuramento de responsabilidades no incêndio de julho, considerando "insatisfatório" o relatório que recebeu do Governo.

"Recebemos o relatório dentro do prazo que havíamos estipulado, que terminava hoje, e agradeço ao secretário de Estado [da Administração Interna, Jorge Gomes] por ter cumprido com a sua palavra mas, efetivamente, é um documento insatisfatório", disse à agência Lusa o presidente da Câmara de Mação (distrito de Santarém).

Vasco Estrela afirmou que o documento "é um conjunto muito incompleto, pouco detalhado, sem referência a quem tomou as decisões em cada momento relativamente às movimentações operacionais no terreno", pelo que a assembleia municipal aprovou por unanimidade avançar com uma participação à IGAI, segundo o autarca, "para um apuramento cabal do que sucedeu e para apuramento de responsabilidades, se as houver".

A ação refere-se ao incêndio que lavrou em Mação entre os dias 23 e 27 de julho, e que consumiu cerca de 18 mil hectares de floresta, atingiu 14 casas de primeira habitação, total ou parcialmente, e obrigou à evacuação de cerca de 30 aldeias, além de dez pessoas feridas e inúmeros bens destruídos, como barracões, palheiros, material agrícola e viaturas.

Na sequência do incêndio, o presidente da autarquia exigiu o acesso ao relatório da ocorrência da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) e estipulava um prazo que terminava hoje.

"Não podem arder 18 mil hectares sem que sejam apuradas todas as responsabilidades e este relatório não satisfaz, não indica quem tomou determinadas decisões sobre uma cada vez mais evidente retirada de meios de Mação, sobre quem os posicionou e porque motivos, e não nos dá acesso à fita do tempo", critica Vasco Estrela, assinalando o pedido à IGAI com o objetivo de ser "uma entidade independente a explicar tudo o que se passou".

No relatório, a que a Lusa teve acesso, a ANPC justifica as dificuldades no combate ao incêndio em Mação com a dispersão de meios por outras ocorrências na região e um quadro meteorológico "extremamente agressivo".

Nesse dia, segundo o documento, houve 108 fogos, quase metade entre as 12:00 e as 18:00, 17 dos quais no distrito de Castelo Branco e adjacentes.

"Deste facto, resulta pelas necessidades de resposta operacional uma dificuldade maior no reforço das operações de combate por parte daqueles que se encontravam mais próximo do local, levando por isso a uma consequente dispersão de meios de socorro", aponta o documento, salientando "a intensidade da linha de fogo e comprimento da linha de chama quase sempre acima da capacidade de extinção dos meios envolvidos".

No relatório é também destacado que "a coordenação política e institucional terá sido feita caso a caso pelo presidente da Câmara Municipal de Mação, dado que o Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil, por não existir, não podia ser ativado e por consequência, não existe Comissão Municipal de Proteção Civil".

A este respeito, Vasco Estrela referiu apenas que existe um plano de emergência municipal mas que não está atualizado e que no incêndio o mesmo nunca foi pedido ao município "e tudo funcionou sem ele".

O pedido de averiguações por parte da autarquia de Mação à IGAI dependia do conteúdo da exposição e do entendimento municipal sobre a análise da situação reportada no relatório sobre o incêndio, medida que hoje foi anunciada.

"Estamos a ser consequentes com o que sempre dissemos. Que iríamos apurar até ao fim as responsabilidades de todos, também da Câmara e dos intervenientes", no terreno no sentido de serem "confrontados com as suas decisões", observou Vasco Estrela.

MYF (HB) // HB

Lusa/Fim

+ notícias: País

ASAE apreende seis toneladas de queijo que continha água oxigenada

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) apreendeu seis toneladas de queijo amanteigado por suspeitas de adição de água oxigenada, numa unidade de produção de queijo da zona centro.

Proprietários culpam inquilinos pelo negócio paralelo de arrendamento a estudantes

A Associação Nacional de Proprietários (ANP) afirmou este sábado que o arrendamento de quartos a estudantes universitários "é um negócio dos inquilinos que não pagam impostos nenhuns, não passam recibos nenhuns e metem o dinheiro ao bolso", reivindicando fiscalização.

Médicos avançam para greves regionais em outubro e paralisação nacional em novembro

Os sindicatos médicos anunciaram hoje que vão realizar greves rotativas por regiões em outubro e uma paralisação nacional em novembro.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

Nota Alta

"Todos nós estamos desenhados...