Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Narcotraficantes encontraram no Governo venezuelano "apoio e encobrimento" - bispo La Guaira

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Fátima, 13 set (Lusa) -- O bispo de La Guaira, perto de Caracas, acusou hoje o governo da Venezuela de dar "apoio, segurança e encobrimento" a narcotraficantes fugidos da Colômbia, para perpetuar um modelo económico que levou o país "ao colapso".

"A Colômbia, como país e como sociedade, comprometeu-se desde há anos a lutar contra isto e por isso fechou todos os espaços que protegiam o narcotráfico. Pelo contrário, na Venezuela o Governo abriu estes espaços, de forma que muitos desses grupos - que estão a entregar-se na Colômbia e a fazer a paz -- vieram para a Venezuela", disse o bispo Raúl Biord Castillo em entrevista à agência Lusa.

"Lamentavelmente, no governo venezuelano [os traficantes] encontraram apoio, segurança e encobrimento. É muito triste para nós dizer que familiares de altos funcionários do nosso governo estão a ser acusados de narcotráfico, que foram utilizados passaportes diplomáticos para proteger traficantes", acusou o bispo venezuelano, em Portugal para participar numa Peregrinação Internacional por motivo do Centenário das Aparições em Fátima.

Raúl Biord Castillo considera que a Venezuela vive uma situação de "grave crise social, política e económica" devido a um governo que "confiscou todos os poderes".

Sobretudo, disse o bispo, "neste momento a Venezuela vive uma grande farsa" com o modelo económico socialista-comunista que Nicolas Maduro desenvolveu a partir do Chavismo.

"O facto de não haver liberdade para a produção e de haver corrupção generalizada faz com que um país rico em recursos naturais como a Venezuela esteja afundado numa das maiores crises da sua história, em grave carência de alimentos, medicamentos, de matérias-primas, de peças para a maquinaria. O país está perto do colapso e o Governo não o quer reconhecer", salientou o prelado.

Raúl Biord Castillo disse que o governo de Nicolas Maduro insiste em mostrar a Venezuela "como a terra da Alice no País das Maravilhas", recusando-se a admitir que a falta de alimentos está a "matar pessoas à fome" e que faltam medicamentos de toda a espécie.

"Milhares de venezuelanos têm de cruzar a fronteira com a Colômbia e com o Brasil para comprar algum alimento. Muitas são as pessoas que estão a sofrer porque não há os medicamentos mais básicos", sublinhou o bispo, que "pede simplesmente à comunidade internacional que tome consciência disto".

"Ainda na terça-feira, ao regressar da Colômbia, o Papa dizia que, perante este grave problema social, não só a Venezuela como a comunidade internacional têm de fazer alguma coisa para evitar este Holocausto, para fazer evitar que o povo continue a morrer de fome", concluiu.

Questionado sobre se a Venezuela está à beira de uma guerra civil, o bispo respondeu negativamente, mas admitiu que o governo poderá aumentar ainda o nível de repressão.

"Não acredito que haja guerra civil. As armas estão todas de um lado", afirmou Raúl Biord Castillo, recordando que aos "protestos pacíficos" o governo respondeu "com uma repressão brutal", não só por parte dos militares como também dos coletivos armados.

"Vejo o perigo de uma maior repressão, que (...) haja mais sangue e mais mortos. Estamos preocupados, mas as pessoas já perderam o medo. (...) Não há prisões suficientes para conter milhões e milhões de venezuelanos que querem um país livre e de prosperidade para os seus filhos", concluiu.

NVI // FPA

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Macau com recorde de 32,6 milhões de visitantes em 2017

Macau bateu um novo recorde ao receber mais de 32,6 milhões de visitantes em 2017, revelam dados preliminares divulgados esta quarta-feira pela Direção dos Serviços de Turismo (DST) que antecipa, para este ano, um crescimento de 1 a 3%.

Brexit: Parlamento britânico aprova lei do Governo para saída da União Europeia

Londres, 17 jan (Lusa) - O parlamento britânico aprovou hoje um projeto de lei para a saída do Reino Unido da União Europeia, concluindo-se a última etapa de um percurso tumultuoso para o Governo liderado por Theresa May.

PM demitido da Guiné-Bissau diz que sai sem mágoa do Presidente

Bissau, 17 jan (Lusa) -- O antigo primeiro-ministro guineense Umaro Sissoco Embaló, demitido segunda-feira, afirmou hoje que não tem nenhuma mágoa em relação ao Presidente guineense, José Mário Vaz, a quem prometeu que guardará "respeito por toda vida".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.