Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Governo quer indústria associada à exploração de lítio

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 13 set (Lusa) -- O Governo está a preparar um plano para a extração do lítio, mineral usado nas baterias dos carros elétricos, que prevê a criação de uma indústria associada à sua exploração, anunciou hoje o ministro da Economia.

Intervindo numa audição da comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, na Assembleia da República, o governante indicou que o Executivo está a "trabalhar num plano para o lítio", que inclui "uma maior responsabilização, [...] para que as concessões sejam integradas em projetos em que não haja apenas extração do minério, mas que criem valor acrescentado na cadeia industrial que se segue à sua extração".

"O que estamos a fazer é a olhar para este recurso como um recurso importante e queremos alterar a forma como são dadas as concessões nesta área", salientou o ministro, que falava em resposta a uma questão levantada pelo deputado bloquista Jorge Costa.

Também presente, o secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches, acrescentou que o objetivo do Governo é "criar riqueza, [...] mas fazê-lo com o melhor interesse para o Estado".

As declarações surgem meses depois de o grupo de trabalho do lítio, constituído em dezembro para avaliar a possibilidade de produção em Portugal, ter proposto ao Governo um programa de fomento mineiro que teste tecnologia e demonstre o potencial industrial deste metal, financiado por programas financeiros.

Num relatório datado de final de março passado, a que a Lusa teve acesso, o grupo de trabalho defendia - além da avaliação dos recursos minerais litiníferos do país - a implementação de uma unidade experimental minero-metalúrgica com o objetivo de desenvolver conhecimento e testar tecnologias para toda a cadeia de valorização destes recursos, que deverão ter um aumento "exponencial" com o crescimento da mobilidade elétrica.

O grupo sugeria também a constituição de uma unidade piloto de demonstração industrial, isto é, para perceber a viabilidade económica da cadeia de valor e não se limitar à prospeção e exploração de lítio, mas à sua utilização, o que, se os resultados económicos forem promissores, "evoluirá para uma fase de investimento industrial".

Dada "a falta de programas financeiros específicos", era proposto ao Governo o acolhimento de candidaturas de criação das duas unidades a co-financiamentos disponíveis - COMPETE (ou outro no âmbito do Programa 2020) ou outros programas.

O documento destacava ainda que, nos últimos dois anos, os preços do lítio no mercado internacional têm subido, existindo previsões de "a breve prazo, se verificar um exponencial aumento de automóveis elétricos, o que faz prever uma elevada procura de lítio a nível mundial".

Em 2016, deram entrada na Direção Geral de Energia e Geologia (DGEG) 30 pedidos de direitos de prospeção e pesquisa de lítio, como substância mineral principal, correspondendo a um investimento proposto global de cerca de 3,8 milhões de euros, precisa para atestar o crescente interesse de empresas estrangeiras por este metal.

Atualmente, os minerais de lítio extraídos em Portugal destinam-se em exclusivo à indústria cerâmica, limitando-se a sua utilização como fundente, pretendendo-se a valorização deste recurso mineral.

ANE (JNM) // JNM

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Presidente da República espera défice de 1,5% para este ano

O Presidente da República disse esta sexta-feira que Portugal vai poder cumprir o défice de 1,5% do Produto Interno Bruto (PIB) estabelecido como meta pelo Governo para 2017, congratulando-se com as "boas notícias" para a economia agora divulgadas.

Atualizado 23-09-2017 12:19

Calçado "sem género" português foi à conquista de Milão

A Associação Portuguesa dos Industriais do Calçado acompanhou até Milão 96 empresas portuguesas. O Porto Canal descobriu empresas que seguiram a moda do sapato "sem género", um produto que tanto dá para homens como para mulheres. O mercado da moda agénero tem ganho espaço em todo o mundo e Portugal não fica atrás nas tendências.

Défice desce para 1,9% do PIB no primeiro semestre

O défice orçamental foi de 1,9% do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro semestre deste ano, uma diminuição face aos 3,1% registados no período homólogo, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

Nota Alta

"Todos nós estamos desenhados...