Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

131 pessoas começaram a ser julgadas no Porto por alegada fraude em exames de código

| Norte
Porto Canal com Lusa

Um grupo de 131 pessoas começaram hoje a ser julgadas, no Tribunal São João Novo, no Porto, por usarem auriculares e microcâmaras escondidas na roupa durante a realização dos exames do Código da Estrada para passarem no exame.

A sessão, que se realizou no quartel dos Bombeiros Voluntários de Valadares, em Vila Nova de Gaia, devido ao elevado número de arguidos, serviu apenas para os identificar.

Os suspeitos, desde instrutores, examinadores e alunos de várias escolas de condução do Grande Porto, estão acusados de 1.142 crimes de corrupção e falsidade informática.

Segundo a acusação do Ministério Público (MP), a que a Lusa teve acesso, os candidatos usavam auriculares e microcâmaras escondidos na roupa para filmar os ecrãs dos computadores durante a realização do exame do Código da Estrada e, assim, obter a resposta correta.

Fora do edifício, estavam instrutores a visualizar as imagens e a darem as respostas certas.

Este esquema, que começou em 2012, rendeu cerca de 620 mil euros de lucro, refere a acusação.

+ notícias: Norte

Proprietária de lar de idosos alegadamente ilegal pode ter retirado utentes 'à pressa' para demonstrar normalidade de instituição

A proprietária da residência para idosos de Rio Tinto sobre a qual recaem acusações de ilegalidade e de falta de condições nega tudo e na tarde desta sexta-feira convidou o Porto Canal a entrar nas instalações. Isto depois de uma testemunha ter dito que há utentes sem jantar e medicados sem prescrição médica. Recorde-se que o espaço recebeu ordem de encerramento da Segurança Social em 2014, mas continua aberto.

Pais pedem medidas urgentes depois de imagens de comida mal confecionada em escola da Maia

Há mais um caso a alimentar a polémica da má qualidade das refeições servidas nas cantinas escolares. Desta vez, foi na Maia onde terá sido servido frango crú aos alunos. Os pais há muito que se queixam da qualidade e quantidade das refeições das cantinas escolares e, por isso, exigem medidas urgentes.

Utentes sem comer é apenas uma das denúncias de lar ilegal a funcionar em Rio Tinto

Utentes sem jantar e medicados sem prescrição médica, são algumas das denúncias que chegaram ao Porto Canal sobre o lar de Rio Tinto. Uma testemunha garante ter presenciado várias ilegalidades na instituiçao, que recebeu ordem de encerramento da Segurança Social há três anos, mas que ainda hoje continua aberta.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS