Info

Sistema de monitorização ajuda a aumentar segurança de bombeiros em cenários de risco

| País
Porto Canal com Lusa

Albergaria-a-Velha, Aveiro, 31 ago (Lusa) - Uma equipa de investigadores do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC) desenvolveu um sistema que monitoriza os sinais vitais dos bombeiros, contribuindo para aumentar a sua segurança em cenários de risco.

O equipamento tecnológico, que foi apresentado hoje no quartel dos Bombeiros de Albergaria-a-Velha, é baseado em dois sensores que são colocados no bombeiro para captar em tempo real os sinais vitais, níveis de stress e fadiga, entre outros.

O sistema permite ainda recolher dados do meio ambiente, como a temperatura, gases tóxicos a que o bombeiro está exposto, ou luminosidade, bem como a localização georeferenciada.

"Esta informação é transmitida depois para um servidor e para um meio de comando que, desta forma, pode saber exatamente onde é que o bombeiro está, a que variáveis é que pode estar sujeito, tanto ambientais como fisiológicas, e tentar da melhor forma gerir a equipa", disse o investigador Duarte Dias.

Os investigadores dizem que a utilização deste equipamento pode contribuir para aumentar a segurança dos bombeiros, que se encontram muitas vezes em situação de risco.

"Existem estudos internacionais que demonstram que 67% das fatalidades que ocorrem com bombeiros são resultantes de problemas de stress e de esforço excessivo. Nós, com o nosso sistema, aquilo que vamos conseguir é antecipar a situação de falência física e, desta forma, tentar aumentar a segurança do bombeiro", disse o investigador Rui Rosas.

O Comandante dos Bombeiros de Albergaria, José Valente, também não tem dúvidas quanto à importância deste equipamento para a segurança e rentabilização dos meios humanos que estão no teatro de operações.

"Toda a informação que possamos obter a cada momento de cada um dos operacionais é uma mais-valia não só para tirar a rentabilidade maior possível, mas também saber quais são as suas fraquezas e potencialidades e dai tirar maior rendimento da sua intervenção", disse o comandante.

O equipamento, que tem vindo a ser testado há três anos pelos Bombeiros de Albergaria-a-Velha em situações reais, pode ainda ser usado por outros profissionais de primeira resposta, como polícias e paramédicos.

"Estamos numa fase muito avançada em termos de validação da solução, do ponto de vista tecnológico", disse Rui Rosas, adiantando que o sistema tem mais de 700 horas de recolha de dados e análise, em cenário real.

Atualmente, a equipa de investigadores está a procura de investidores para lançar uma solução comercial, visando sobretudo o mercado norte-americano.

"O mercado nacional não tem dimensão desejada numa perspetiva comercial e o mercado mais interessante seria o mercado norte-americano", disse Rui Rosas.

A equipa de investigadores viaja no mês de setembro para os Estados Unidos da América onde vai permanecer durante dois meses, ao abrigo de um "programa de aceleração" com Carnegie Mellon/Portugal, para tentar procurar investimento estrangeiro para esta solução.

JYDN // MSP

Lusa/Fim

+ notícias: País

Associação da GNR diz que agressões a militares em serviço estão a aumentar

A Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR) lamentou este sábado que o Governo "ainda não tenha considerado" os polícias como uma profissão de risco, sublinhando que cada vez mais os militares da GNR são agredidos em serviço.

Incêndio em Oiã, Aveiro, provoca quatro feridos

Um incêndio numa fábrica de bicicletas na freguesia de Oiã, Oliveira do Bairro, distrito de Aveiro, causou este sábado quatro feridos, entre eles um bombeiro, disse à agência Lusa fonte do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

Falta de pagamento do Estado aos hospitais privados põe em causa cirurgias

Os hospitais privados ameaçam parar de fazer cirurgias aos doentes enviados pelo Serviço Nacional de Saúde caso o Estado continue a demorar tanto tempo a pagar. Já há médicos a recusar-se a operar uma vez que depois têm de esperar mais de dois anos para receber.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.