Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Euribor mantem-se a três e seis meses e caem a nove e 12 meses

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 16 ago (Lusa) -- As taxas Euribor mantinham-se hoje a três e seis meses, face a quarta-feira, e caíam nove e a 12 meses.

A Euribor a três meses, em valores negativos desde 21 de abril de 2015, manteve-se hoje em -0,329%, acima do atual mínimo de sempre, de -0,332%, registado pela primeira vez em 10 de abril. Trata-se da sexta sessão consecutiva em que a Euribor neste prazo se mantém.

No prazo dos seis meses, a taxa Euribor, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação e que entrou em terreno negativo pela primeira vez em 06 de novembro de 2015, também ficou inalterada nos -0,271%.

O atual mínimo de sempre do prazo dos seis meses, de -0,274%, foi fixado pela primeira vez em 05 de julho e esta é a sétima sessão consecutiva sem se registarem alterações.

A nove meses, a Euribor caiu ao fixar-se em -0,210%, um novo mínimo.

Depois de ter sido fixada em valores negativos entre 27 de novembro e 03 de dezembro de 2015, a Euribor a nove meses voltou para níveis abaixo de zero em 07 de janeiro de 2016, nos quais se tem mantido desde então.

No prazo de 12 meses, a taxa Euribor, que desceu para valores abaixo de zero pela primeira vez em 05 de fevereiro de 2015, caiu hoje 0,002 pontos percentuais para -0,158%, face a quarta-feira, mas está acima do mínimo de sempre, de -0,163%, fixado pela primeira vez em 23 de junho.

As Euribor são fixadas pela média das taxas às quais um conjunto de 57 bancos da zona euro está disposto a emprestar dinheiro entre si no mercado interbancário.

JS // MSF

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Francisco Louçã antevê uma nova crise financeira como em 2007

10 anos depois da crise, os desiquilíbros financeiros mantêm-se e o risco de uma nova crise é cada vez mais real. As palavras sao de Francisco Louçã, no livro "Sombras". Na obra, agora lançada, o economista aborda o poder da 'finança-sombra' e os riscos que esta impõe à economia global.

CIP indisponível para aumentar salário mínimo para 600 euros

O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), António Saraiva, afirmou hoje, em entrevista conjunta à Antena1 e ao Jornal de Negócios, que não há disponibilidade para aceitar a proposta de 600 euros de salário mínimo para 2018.

Trabalhadores e Autoeuropa chegam a pré-acordo sobre horários de trabalho

Palmela, Setúbal, 20 nov (Lusa) - A Comissão de Trabalhadores e a administração da Autoeuropa chegaram hoje a um pré-acordo sobre os horários de trabalho, que deverá ser sufragado pelos trabalhadores durante a próxima semana, disse hoje à agência Lusa fonte das negociações.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS