Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Euribor mantem-se a três e seis meses e caem a nove e 12 meses

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 16 ago (Lusa) -- As taxas Euribor mantinham-se hoje a três e seis meses, face a quarta-feira, e caíam nove e a 12 meses.

A Euribor a três meses, em valores negativos desde 21 de abril de 2015, manteve-se hoje em -0,329%, acima do atual mínimo de sempre, de -0,332%, registado pela primeira vez em 10 de abril. Trata-se da sexta sessão consecutiva em que a Euribor neste prazo se mantém.

No prazo dos seis meses, a taxa Euribor, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação e que entrou em terreno negativo pela primeira vez em 06 de novembro de 2015, também ficou inalterada nos -0,271%.

O atual mínimo de sempre do prazo dos seis meses, de -0,274%, foi fixado pela primeira vez em 05 de julho e esta é a sétima sessão consecutiva sem se registarem alterações.

A nove meses, a Euribor caiu ao fixar-se em -0,210%, um novo mínimo.

Depois de ter sido fixada em valores negativos entre 27 de novembro e 03 de dezembro de 2015, a Euribor a nove meses voltou para níveis abaixo de zero em 07 de janeiro de 2016, nos quais se tem mantido desde então.

No prazo de 12 meses, a taxa Euribor, que desceu para valores abaixo de zero pela primeira vez em 05 de fevereiro de 2015, caiu hoje 0,002 pontos percentuais para -0,158%, face a quarta-feira, mas está acima do mínimo de sempre, de -0,163%, fixado pela primeira vez em 23 de junho.

As Euribor são fixadas pela média das taxas às quais um conjunto de 57 bancos da zona euro está disposto a emprestar dinheiro entre si no mercado interbancário.

JS // MSF

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Défice melhora 1.901 milhões de euros até agosto

O défice das administrações públicas foi de 2.034 milhões de euros até agosto, uma "melhoria de 1.901 milhões" face ao mesmo período de 2016, segundo o Governo, que justifica com aumento superior a 4% da receita.

Hospitais e centros de saúde com dívida de mais de 37 ME devido à falta de pagamento de taxas moderadoras

Até julho, os hospitais e centros de saúde tinham uma dívida de mais de 37 milhões de euros devido à falta de pagamento de taxas moderadoras. O valor aumentou desde do fim do ano passado e há até unidades de saúde que estão a permitir o pagamento em prestações das taxas.

Preço do barril Brent sobe 3,8% para 59,02 dólares, máximo desde novembro 2015

Londres, 25 set (Lusa) -- O preço do barril de petróleo Brent, para entrega em novembro, encerrou hoje no mercado de futuros de Londres em alta de 3,8%, para os 59,02 dólares, o seu nível mais alto desde novembro de 2015.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

Nota Alta

"Todos nós estamos desenhados...