Info

Fogo no Fundão obriga ao corte da linha da Beira Baixa

| País
Porto Canal com Lusa

Fundão, Castelo Branco, 15 ago (Lusa) - O incêndio que progride no concelho do Fundão obrigou hoje à tarde à suspensão da ligação ferroviária da Beira Baixa, entre Castelo Branco e a Covilhã, disse à agência Lusa fonte da Infraestruturas de Portugal (IP).

De acordo com a IP, o corte da linha da Beira Baixa foi feito às 16:25, "por pedido do CDOS [Comando Distrital de Operações de Socorro] de Castelo Branco".

Contactada pela agência Lusa, a CP referiu que um comboio que ia em direção à Covilhã ficou parado em Castelo Branco face ao corte da linha. O mesmo comboio faria depois a viagem de regresso a partir da Covilhã.

O transbordo ainda não está assegurado, sendo que "a situação está em avaliação", afirmou fonte da CP.

Também a nacional número 18 (N18) e a autoestrada número 23 (A23), entre Castelo Novo e Alcaide, estão cortadas ao trânsito nos dois sentidos devido às chamas que afetam o concelho do Fundão, distrito de Castelo Branco.

Segundo a página da Proteção Civil, às 19:10, estavam 415 operacionais, 121 veículos e dez meios aéreos a combater o fogo.

JYGA // EL

Lusa/Fim

+ notícias: País

Associação da GNR diz que agressões a militares em serviço estão a aumentar

A Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR) lamentou este sábado que o Governo "ainda não tenha considerado" os polícias como uma profissão de risco, sublinhando que cada vez mais os militares da GNR são agredidos em serviço.

Incêndio em Oiã, Aveiro, provoca quatro feridos

Um incêndio numa fábrica de bicicletas na freguesia de Oiã, Oliveira do Bairro, distrito de Aveiro, causou este sábado quatro feridos, entre eles um bombeiro, disse à agência Lusa fonte do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

Falta de pagamento do Estado aos hospitais privados põe em causa cirurgias

Os hospitais privados ameaçam parar de fazer cirurgias aos doentes enviados pelo Serviço Nacional de Saúde caso o Estado continue a demorar tanto tempo a pagar. Já há médicos a recusar-se a operar uma vez que depois têm de esperar mais de dois anos para receber.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.