Jornal Diário Jornal das 13

Trump aceita falar com Maduro quando "democracia for restaurada"

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Washington, 12 ago (Lusa) -- O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, aceitará falar com o seu homólogo venezuelano, Nicolás Maduro, "assim que a democracia for restaurada" no país, anunciou na sexta-feira a Casa Branca.

"Hoje [sexta-feira], Nicolás Maduro pediu uma ligação telefónica com o Presidente Trump", indicou a Casa Branca, ao referir que o Presidente dos Estados Unidos "falará, com muito gosto, com o líder da Venezuela assim que a democracia no país for restabelecida".

"Trump pediu a Maduro respeito pela Constituição, eleições livres e justas, a libertação dos presos políticos e o fim das violações aos direitos humanos" e "Maduro, pelo contrário, escolheu o caminho ditatorial", sublinha Washington, num comunicado, no qual salienta que os Estados Unidos "estão com o povo da Venezuela contra a contínua opressão do regime de Maduro".

O Presidente da Venezuela manifestou, na quinta-feira, num discurso em Caracas, o desejo "conversar" com Donald Trump, instruindo o seu ministro dos Negócios Estrangeiros a dar os passos necessários com vista à realização de um diálogo com o seu homólogo americano, a ter lugar por telefone ou pessoalmente, em Nova Iorque, por ocasião da Assembleia-Geral da ONU, marcada para 20 de setembro.

O comunicado da Casa Branca surge no mesmo dia em que Donald Trump levantou pela primeira vez a possibilidade de uma eventual intervenção militar na Venezuela.

"Temos várias opções para a Venezuela, incluindo uma possível opção militar se necessário", disse, sem facultar mais detalhes.

"Temos tropas em todo o mundo, em lugares muito, muito distantes. A Venezuela não está muito longe e há gente a sofrer e a morrer", argumentou o Presidente norte-americano.

DM (ALU) // DM

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Mais de mil milhões de pessoas em risco devido a falta de refrigeração

Mais de 1,1 mil milhões de pessoas em 52 países enfrentam riscos significativos por falta de acesso a refrigeração, incluindo a morte, segundo uma perita das Nações Unidas.

Justiça alemã extradita Puigdemont, mas apenas por delito de peculato

O tribunal alemão de Schleswig-Holstein decidiu hoje extraditar para Espanha o ex-presidente catalão Carles Puigdemont por um alegado delito de peculato (desvio de fundos), mas não pelo crime de rebelião, segundo a agência Efe.

Tailândia: Todos os rapazes e treinador retirados da gruta

Todos os 12 jovens jogadores de futebol e o treinador que ficaram há duas semanas encurralados numa gruta no norte da Tailândia estão a salvo, segundo as autoridades tailandesas.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.