Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Peru ordena expulsão do embaixador em Lima

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Lima, 12 ago (Lusa) -- O Ministério dos Negócios Estrangeiros do Peru informou, na sexta-feira, que decidiu expulsar o embaixador da Venezuela em Lima, Diego Alfredo Molero Bellavia, devido a uma nota de protesto enviada pelo Governo de Caracas.

Em comunicado, a diplomacia peruana indica que, "depois de manifestar a sua condenação à rutura da ordem democrática na Venezuela", o Governo decidiu expulsar o embaixador, a quem foi dado "um prazo máximo de cinco dias para deixar o país".

A decisão surge na sequência do protesto diplomático apresentado pelo Governo da Venezuela - que o Peru recusa aceitar por conter "termos inaceitáveis" - sobre a Declaração de Lima, subscrita na passada terça-feira, por 17 países da região que rejeita reconhecer a nova Assembleia Constituinte.

A Declaração de Lima, que condena "a rutura da ordem democrática" na Venezuela e que entende serem "ilegítimos" os atos da recém-eleita Assembleia Constituinte, foi assinada, entre outros, pela Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, México, Panamá e Peru.

Composta por 545 membros, todos próximos do Governo de Caracas, a Assembleia Constituinte foi eleita em 30 de julho, numas eleições boicotadas pela oposição que não participou então no processo por considerar que foi convocada de maneira ilegítima.

Estados Unidos e União Europeia também não reconhecem o novo órgão, que é presidido pela antiga ministra dos Negócios Estrangeiros Delcy Rodríguez, instalado no dia 04, sob denúncias de fraude eleitoral.

Não obstante, no comunicado divulgado na sexta-feira, o Peru reitera a sua "firme vontade de continuar a contribuir para a restauração da democracia na Venezuela".

A ação diplomática do Peru figura como a mais forte tomada até ao momento por um país da América Latina relativamente à Venezuela.

A Venezuela encontra-se mergulhada numa grave crise política, sendo palco, desde o início de abril, de uma onda de protestos a favor e contra o governo de Maduro, dos quais alguns resvalaram em violentos confrontos, que fizeram pelo menos 125 mortos.

Os protestos intensificaram-se a partir de 01 de maio precisamente quando o Presidente venezuelano convocou a eleição da Constituinte, com o principal objetivo de alterar a Constituição em vigor, nomeadamente os aspetos relacionados com as garantias de defesa e segurança da nação.

Durante uma sessão especial do novo órgão, realizada na quinta-feira, Maduro submeteu o seu projeto de Constituição, o qual prevê penas de prisão de 15 a 25 anos para quem "exprimir ódio, intolerância e violência por razões culturais, políticas e ideológicas".

DM (IMA/FPG) // DM

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Macau com recorde de 32,6 milhões de visitantes em 2017

Macau bateu um novo recorde ao receber mais de 32,6 milhões de visitantes em 2017, revelam dados preliminares divulgados esta quarta-feira pela Direção dos Serviços de Turismo (DST) que antecipa, para este ano, um crescimento de 1 a 3%.

Brexit: Parlamento britânico aprova lei do Governo para saída da União Europeia

Londres, 17 jan (Lusa) - O parlamento britânico aprovou hoje um projeto de lei para a saída do Reino Unido da União Europeia, concluindo-se a última etapa de um percurso tumultuoso para o Governo liderado por Theresa May.

PM demitido da Guiné-Bissau diz que sai sem mágoa do Presidente

Bissau, 17 jan (Lusa) -- O antigo primeiro-ministro guineense Umaro Sissoco Embaló, demitido segunda-feira, afirmou hoje que não tem nenhuma mágoa em relação ao Presidente guineense, José Mário Vaz, a quem prometeu que guardará "respeito por toda vida".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.