Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Fogos provocam 19 feridos em Abrantes e quatro na Mealhada, todos ligeiros

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 11 ago (Lusa) -- O incêndio em Abrantes, no distrito de Santarém, fez um total de 19 feridos leves, já o fogo que lavra na Mealhada, em Aveiro, provocou três vítimas civis e um bombeiro, todos feridos ligeiros, informou hoje a Proteção Civil.

"No incêndio em Abrantes, temos um total identificado de 19 feridos leves, portanto nada de grave. São ferimentos ligeiros: entorses, quedas, algumas inalações de fumo", avançou a adjunta de operações da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) Patrícia Gaspar, indicando que "algumas destas vítimas acabaram por ser assistidas apenas no teatro de operações e puderam rapidamente retomar a sua atividade".

Já o fogo que "está muito ativo" no concelho da Mealhada, no distrito de Aveiro, provocou três vítimas civis e um bombeiro, todos feridos ligeiros.

A Proteção Civil destacou hoje, pelas 19:00, a ocorrência de cinco fogos que lavram nos distritos de Santarém, Aveiro, Coimbra, Lisboa e Viseu, indicando que foi necessário fazer "defesas perimétricas" para proteção das aldeias e das populações afetadas.

SYSM // MLS

Lusa/Fim

+ notícias: País

Homem matou a mulher e tentou suicidar-se em Sever do Vouga

Um homem de 69 anos matou a mulher de 66 anos e tentou cometer suicídio, esta terça-feira de manhã, na residência do casal, em Silva Escura, Sever do Vouga, disse à Lusa fonte da GNR.

Associação Zero acusa Governo de manipular dados da reciclagem

A associação ambientalista Zero acusou esta terça-feira o Governo de manipular os dados dos resíduos urbanos, declarando como recicladas quase 270 mil toneladas que foram para aterros, recebendo assim mais dinheiro e apresentando um melhor desempenho.

Atualizado 16-01-2018 16:21

Combustão de resíduos da antiga mina do Pejão "não representa alarme" segundo empresa

A empresa EDM comunicou esta terça-feira que a combustão de resíduos das antigas minas do Pejão, em Castelo de Paiva, que ocorre desde outubro, "não representa no imediato um motivo de alarme para a população".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.