Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Portugal espera arrecadar até 1.000 ME em dívida de curto prazo na 4.ª feira

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 11 ago (Lusa) - Portugal vai voltar aos mercados na quarta-feira para emitir até 1.000 milhões de euros em dívida de curto prazo, com uma linha a três meses e outra a 11 meses, anunciou hoje o IGCP.

Em comunicado hoje emitido, a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) refere que vai realizar na quarta-feira dois leilões das linhas de Bilhetes do Tesouro "com maturidades em 17 de novembro de 2017 e 20 de julho de 2018", respetivamente.

A agência que gere a dívida pública portuguesa espera arrecadar com este leilão duplo "um montante indicativo global entre 750 milhões e 1.000 milhões de euros".

A última emissão de Bilhetes do Tesouro a três meses foi realizada em junho deste ano, quando foram colocados 250 milhões de euros a uma taxa de juro média de -0,337%.

No mesmo mês foi também feita uma emissão de Bilhetes do Tesouro a 11 meses, tendo sido colocados 1.000 milhões de euros com um juro médio de -0,264%.

Estes leilões estão previstos no programa de financiamento a curto prazo do IGCP para o terceiro trimestre deste ano, período em que a agência liderada por Cristina Casalinho espera arrecadar 4.500 milhões de euros em bilhetes do tesouro.

ND // CSJ

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Famílias numerosas dizem-se discriminadas no custo da água que consomem

As famílias numerosas dizem-se discriminadas no custo da água que consomem. Nos concelhos mais desiguais, sem tarifários familiares, o preço pode variar até 12 euros por pessoa. No Porto nem metade dos municípios têm este tipo de tarifário.

Parecer científico recomenda a suspensão da pesca da sardinha em 2018

A pesca da sardinha deverá ser proibida em 2018 em Portugal e Espanha, face à redução acentuada do 'stock' na última década, refere o parecer do Conselho Internacional para a Exploração do Mar (ICES) hoje divulgado.

Adelino Costa Matos diz que é "gritante" a falta de mão-de-obra qualificada a nível nacional

O Presidente da ANJE diz que em Portugal não existem jovens para trabalhar com formação profissional. Adelino Costa Matos afirma mesmo que a falta de mão-de-obra é "gritante".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

Consultório

Como prevenir a gripe - medicamentos e...

Nota Alta

Mazgani - "The Faintest Light"