Jornal Diário Jornal das 13

Pedrógão Grande: As calamidades deixam marcas por muito e muito tempo - António Costa

| Política
Porto Canal com Lusa

Pedrógão Grande, Leiria, 11 ago (Lusa) - O primeiro-ministro, António Costa, disse hoje em Pedrógão Grande que as calamidades deixam marcas nos territórios e nas famílias, por muito e muito tempo e adiantou que é importante fazer tudo para que não se volte a repetir.

"As calamidades deixam marcas nos territórios, nas famílias, por muito e muito tempo. É muito importante o que o presidente de Castanheira disse que o país nunca mais esqueça aquilo que aqui aconteceu para que possamos fazer tudo para que isto não volte mais a acontecer", afirmou o primeiro-ministro.

O incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande no dia 17 de junho, no distrito de Leiria, provocou pelo menos 64 mortos e mais de 200 feridos, e só foi dado como extinto uma semana depois.

António Costa, que se deslocou a Pedrógão Grande para realizar uma visita à área ardida e às obras de reconstrução nos três municípios mais afetados pelo incêndio de junho, disse que o trabalho de reconstrução "é absolutamente essencial".

"Estas semanas mostram a necessidade de agilizar os processos de reconstrução", sustentou.

Para isso, defendeu o preenchimento de declarações prévias, com termo de responsabilidade por parte dos arquitetos que subscrevam os projetos: "É essencial que possam ser feitas sem carecer de licenciamento".

O governante sublinhou ainda que das 214 casas de primeira habitação afetadas pelos incêndios, 119 carecem de processos de reabilitação simples, mas adiantou que há 95 que precisam de recuperação integral.

"Já há 38 habitações a ser intervencionadas através do fundo Revita, entre outras entidades", disse.

António Costa salientou que as empresas devem apresentar as suas candidaturas, apesar de já haver quatro aprovadas para a sua reconstrução.

"O apoio à reconstrução das empresas, a capacidade de novos investimentos e a revitalização da floresta é fundamental para devolver a normalidade a estes territórios", disse.

Quanto às contas, que defendeu deverem ser prestadas aos portugueses face aos apoios e ao seu destino. O primeiro-ministro lembrou que houve em todo o país uma onda de "solidariedade extraordinária" e os apoios foram canalizados para diferentes instituições.

"Parte destes apoios têm sido canalizados para o fundo Revita que neste momento já está dotado de um total de 1,9 milhões de euros que provieram de um conjunto de entidades", frisou.

Contudo, o total da verba, que se cifra em 4,7 milhões de euros vai ser canalizado para a reconstrução das habitações, para agricultores que sofreram danos, num valor rondará os 1,6 milhões de euros.

CAYC // ZO

Lusa/Fim

+ notícias: Política

PCP lamenta “protelamento” do Governo face a professores e exorta cumprimento da lei

O PCP condenou hoje o "protelamento", por parte do Governo, nas negociações com os professores sobre a contagem integral do tempo de serviço e devidas remunerações, instando o executivo socialista ao cumprimento da legislação.

Governo está a equacionar um serviço de atendimento permanente no hospital de Ovar

O Governo está a equacionar a abertura de um serviço de atendimento permanente no Hospital Francisco Zagalo, em Ovar. Esta é pelo menos a convicção do movimento de utentes baseada no grupo de trabalho criado pelo ministério da Saúde para analisar a prestação de cuidados de saúde em Aveiro.

Empresários descontentes com alterações das regras do alojamento local

As regras do alojamento local mudaram. Os proprietários enfrentam agora mais custos e obrigações. Entre elas, a possibilidade de pagarem mais condomínio. Com a alteração da lei as câmaras municipais e os próprios condomínios passam a ter mais poderes no licenciamento.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.