Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Governo quer que construtoras que saíram com a crise regressem às obras em Portugal

| Política
Porto Canal com Lusa

Coimbra, 11 ago (Lusa) - O primeiro-ministro, António Costa, manifestou hoje o desejo que as empresas de construção que saíram do país com a crise em busca de melhores condições no estrangeiro, regressem às obras públicas em Portugal.

Intervindo na sessão de consignação da obra de desassoreamento do rio Mondego, em Coimbra, António Costa frisou que a intervenção, orçada em cerca de quatro milhões de euros, "representa o regresso da Mota-Engil ao mercado nacional", felicitou a construtora que venceu o concurso e disse esperar que outras empresas regressem ao mercado nacional.

"Aquilo que nós desejamos é que as empresas portuguesas que desenvolveram em 30 anos enormes competências na engenharia, enormes competências na capacidade de execução de obra, voltem a encontrar em Portugal um mercado tão atrativo como felizmente têm conseguido encontrar em muitos pontos do mundo", disse o primeiro-ministro.

"Digo a Mota-Engil como digo todas as outras empresas, a quem desejo que em próximos concursos se apresentem e tenham a capacidade de ganhar esses concursos", adiantou.

António Costa considerou "essencial" que as empresas internacionalizadas "não deixem de ter a oportunidade de também em Portugal poderem realizar trabalho" porque ao fazê-lo contribuem para o crescimento da economia portuguesa e "é o emprego em Portugal que está também a aumentar".

Na intervenção, António Costa disse ainda que o se o Governo quer dar continuidade à trajetória "muito boa" que tem vindo a conseguir na redução do desemprego, tem de aumentar o investimento.

Considerou uma "agradável notícia" os números do Instituto Nacional de Estatística (INE) que apontam para a criação de 180 mil empregos, "em termos líquidos", desde o início da entrada em funções do atual executivo e, simultaneamente, a queda na taxa de desemprego, que está abaixo da "barreira" dos 9%.

"O investimento privado, felizmente, tem aumentado muito bem mas o investimento público tem também de continuar a aumentar, como se vê faz falta e é necessário. Seguramente, não precisaremos de grandes intervenções em vias rodoviárias", disse o primeiro-ministro.

"Há investimentos públicos para aumentar a nossa inserção nas redes globais, nos portos, nos aeroportos, na ferrovia, que continua a ser necessário", argumentou.

JLS // ZO

Lusa/Fim

+ notícias: Política

CTT mantêm serviços em 14 localidades onde vão encerrar instalações

Os CTT pretendem avançar com 14 novos pontos de acesso em localidades onde irão encerrar instalações, cuja abertura ainda está a ser negociada com autarquias e entidades comerciais, informou hoje a empresa.

Vieira da Silva diz que "Governo não empurrou a Santa Casa para coisa nenhuma"

O ministro do Trabalho e Solidariedade disse esta quarta-feira que "o Governo não empurrou a Santa Casa para coisa nenhuma" e que o que houve foi uma "sugestão", tendo acrescentando que não há um valor definido para o eventual investimento no Montepio.

Salvador Malheiro não está preocupado com a polémica da 'carrinha' no dia das eleições do PSD

Salvador Malheiro diz que não está preocupado com o facto de alguns militantes social-democratas terem sido transportados para as urnas por uma carrinha de uma associação local. O caso foi denunciado pelo jornal online Observador, após as eleições diretas do partido. O diretor nacional de campanha de Rui Rio desvaloriza a acusação de caciquismo em Ovar.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.