Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Governo aprova prestação de 264 euros para pessoas com deficiência igual ou superior a 80%

| Política
Porto Canal com Lusa

NOVO TÍTULO: Lisboa, 10 ago (Lusa) -- O Governo aprovou hoje a criação da Prestação Social para a Inclusão (PSI), cuja componente base de 264 euros será atribuída a todas as pessoas com deficiência ou incapacidade igual ou superior a 80%.

"A componente base entrará em vigor já em 2017, é uma componente que tem uma dimensão de cidadania, é atribuída incondicionalmente, sem qualquer espécie de avaliação de outras condições, a quem tenha 80% ou mais de incapacidade comprovada e certificada", explicou o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José Vieira da Silva, na conferência de imprensa realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, em Lisboa.

Esta componente base entrará já em vigor e poderá ser requerida a partir de 01 de outubro.(Acrescenta, no título, o valor da prestação, que é de 264 euros)

Além da criação da PSI, o Conselho de Ministros aprovou hoje outros diplomas que visam "a valorização e a maior integração das pessoas com deficiência", nomeadamente o decreto-lei que cria o Modelo de Apoio à Vida Independente e o decreto-lei das Acessibilidades.

Foram igualmente aprovados um diploma sobre o Sistema Braille vigente em Portugal e um decreto-lei que alarga as situações de atribuição do cartão de estacionamento a pessoas com deficiência ou incapacidade.

VAM // PNG

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Jerónimo de Sousa diz que Portugal precisa de uma política que não seja "refém das imposições externas"

Jerónimo de Sousa defende para Portugal uma política "patriótica e de esquerda" que não seja "refém das imposições externas". O Secretário Geral do PCP diz que são hoje visíveis as consequências do capitalismo na sociedade portuguesa.

António Costa garante que autonomia das escolas não está em risco

António Costa garantiu este sábado que o modelo de descentralização na educação não vai comprometer a autonomia das escolas, algo que a Fenprof receia.

Vieira da Silva considera que "país precisa do acordo com os parceiros sociais"

Vieira da Silva desvaloriza as recomendações de Bruxelas e do FMI, que pedem maior flexibilidade laboral. Em Amares, Braga, e à margem da inauguração de um novo lar, o ministro do trabalho falou ainda do aumento do salário mínimo nacional e considera que o país precisa desse acordo.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS