Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Governo aprova criação do Modelo de Apoio à Vida Independente

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 10 ago (Lusa) -- O Governo aprovou hoje a criação do Modelo de Apoio à Vida (MAVI) que permitirá a pessoas com deficiência ter o apoio de um assistente pessoal na realização de tarefas em que se encontrem limitadas.

"Pretendemos que as pessoas com deficiência, independentemente do tipo de deficiência em concreto, seja física, sensorial ou intelectual, tenham a possibilidade de beneficiar do apoio de um assistente pessoal, de um colaborador, que as ajude a realizar as tarefas", referiu a secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência, Ana Sofia Antunes, na conferência de imprensa realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, em Lisboa.

Poderão beneficiar deste apoio as pessoas com deficiência ou incapacidade com grau não inferior a 60%, certificada por atestado médico multiúsos ou por Cartão de Deficiente das Forças Armadas, e com idade igual ou superior a 16 anos.

As pessoas com deficiência intelectual, perturbações do espetro do autismo ou doença mental podem beneficiar, independentemente do seu grau de incapacidade certificada.

As pessoas com idade igual ou superior a 16 anos que estejam abrangidas pela escolaridade obrigatória apenas poderão beneficiar de assistência pessoal fora das atividades escolares.

VAM // PNG

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Jerónimo de Sousa diz que Portugal precisa de uma política que não seja "refém das imposições externas"

Jerónimo de Sousa defende para Portugal uma política "patriótica e de esquerda" que não seja "refém das imposições externas". O Secretário Geral do PCP diz que são hoje visíveis as consequências do capitalismo na sociedade portuguesa.

António Costa garante que autonomia das escolas não está em risco

António Costa garantiu este sábado que o modelo de descentralização na educação não vai comprometer a autonomia das escolas, algo que a Fenprof receia.

Vieira da Silva considera que "país precisa do acordo com os parceiros sociais"

Vieira da Silva desvaloriza as recomendações de Bruxelas e do FMI, que pedem maior flexibilidade laboral. Em Amares, Braga, e à margem da inauguração de um novo lar, o ministro do trabalho falou ainda do aumento do salário mínimo nacional e considera que o país precisa desse acordo.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS