Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Centeno admite que "há uma possibilidade" de ser próximo presidente do Eurogrupo

Centeno admite que "há uma possibilidade" de ser próximo presidente do Eurogrupo
| Política
Porto Canal com Lusa

O ministro das Finanças, Mário Centeno, admitiu, em entrevista ao jornal espanhol El País, que "há uma possibilidade" de ser o próximo presidente do Eurogrupo, após o final do mandato do holandês Jeroen Dijsselbloem.

A entrevista, realizada na cidade de Santander, onde Mário Centeno participou numa conferência da Universidade Internacional Menéndez Pelayo, foi divulgada hoje pelo El País, que questionou o governante português sobre se "será candidato" à presidência do Eurogrupo.

A resposta do ministro das Finanças português foi perentória: "Não vou dizer que não se há uma possibilidade", respondeu Mário Centeno voltando a abrir esta questão.

Em abril, o Expresso noticiou que o ministro das Finanças, Mário Centeno, foi um dos sondados para ocupar o lugar de presidente do Eurogrupo quando o atual presidente, Jeroen Dijsselbloem, concluir o seu mandato, uma hipótese que foi bastante comentada tanto em Portugal como em Bruxelas.

Na entrevista ao jornal espanhol, Centeno falou ainda sobre a melhoria da situação económica de Portugal que justificou com três fatores: "sanear o sistema financeiro", "a estabilização da banca" e "a mudança política".

O governante disse que "ao princípio as coisas foram difíceis" com a Comissão Europeia quando o Governo português optou por baixar impostos porque a Europa não via o executivo "como um Governo sem experiência".

"Estavam errados: cumprimos as metas orçamentais e saímos do Procedimento por Défices Excessivos", acrescentou.

Reconhecendo que "o trabalho não está terminado" no que se refere à crise económica de Portugal, o ministro afirmou que "as reformas precisam de tempo, ainda que essa não seja a receita de Bruxelas".

Sobre Espanha, que fez três reformas laborais em cinco anos, Mário Centeno defendeu que o país precisa de uma nova reforma do mercado de trabalho.

"Não creio que a Comissão acerte nessas exigências. É quase o contrário do que Espanha precisa: tem que haver reformas, mas insisto que é preciso dar tempo para que funcionem e têm de ser tomadas políticas do lado da procura para ativar a economia. As reformas devem ser aprovadas para [fazer] crescer - não para diminuir - a porção do bolo a repartir, diga o que disser Bruxelas".

+ notícias: Política

CTT mantêm serviços em 14 localidades onde vão encerrar instalações

Os CTT pretendem avançar com 14 novos pontos de acesso em localidades onde irão encerrar instalações, cuja abertura ainda está a ser negociada com autarquias e entidades comerciais, informou hoje a empresa.

Vieira da Silva diz que "Governo não empurrou a Santa Casa para coisa nenhuma"

O ministro do Trabalho e Solidariedade disse esta quarta-feira que "o Governo não empurrou a Santa Casa para coisa nenhuma" e que o que houve foi uma "sugestão", tendo acrescentando que não há um valor definido para o eventual investimento no Montepio.

Salvador Malheiro não está preocupado com a polémica da 'carrinha' no dia das eleições do PSD

Salvador Malheiro diz que não está preocupado com o facto de alguns militantes social-democratas terem sido transportados para as urnas por uma carrinha de uma associação local. O caso foi denunciado pelo jornal online Observador, após as eleições diretas do partido. O diretor nacional de campanha de Rui Rio desvaloriza a acusação de caciquismo em Ovar.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.