Info

Dez pessoas cobriram-se de tinta de choco como protesto à pesquisa de petróleo na costa alentejana

| País
Porto Canal com Lusa

Sines, 29 jul (Lusa) -- Dez ativistas cobriram-se de tinta de choco, na marginal de Sines, esta tarde, enquanto outros pegavam em agulhas para tricotarem uma linha vermelha contra a exploração de petróleo na costa alentejana.

Sob um céu momentaneamente encoberto, mas que não afastou o calor, nem as pessoas do pequeno areal da praia de Sines, algumas associações ambientalistas aproveitaram a oportunidade para sensibilizarem o público do Festival Músicas do Mundo, que hoje termina mais uma edição, para os riscos da exploração de petróleo e gás no litoral.

"Não ao furo, sim ao futuro", lia-se no chão, no início das escadas que descem para a Praia Vasco da Gama, onde muitos festivaleiros ainda descansavam da noite anterior e se preparavam para os sete concertos com que terminará a 19.ª edição do festival.

Dezenas de ativistas ambientais, do movimento Alentejo Litoral pelo Ambiente (ALA) e da campanha nacional Linha Vermelha, entre outros, aproveitaram o pretexto para uma ação surpresa, inspirada na Greenpeace.

Ainda de toalha na mão, Eugénia Santa Bárbara, da ALA, explicou à Lusa o que foi preparado. "Quisemos simular um derrame de petróleo e os impactos que isso tem, normalmente, na fauna e na flora", explicou, recordando que há um furo previsto para Aljezur, de três mil metros de profundidade, já no início de 2018, e frisando os "impactos ambientais, mas também económicos e sociais, no turismo e na pesca", da exploração de petróleo.

A tinta de choco, biológica e preparada em casa, com que dez ativistas se cobriram e desceram até à praia, para "criar uma imagem que fosse forte", só foi conseguida com a ajuda das peixeiras de um mercado lisboeta, contou.

Em paralelo, a Linha Vermelha desfiou agulhas e linhas para "alertar e consciencializar os portugueses para a exploração do petróleo e do gás em Portugal", explicou Catarina Gomes, responsável pela campanha nacional que recorre às artes do tricô e do croché para desenhar uma estratégia "mais leve" e "convidativa", porque, "quando as pessoas ouvem estes assuntos, sobre o petróleo, qualquer coisa relacionada com ativismo, ou coisas mais sérias, assustam-se".

Mesmo quem não sabe tricotar é bem-vindo, sublinha a ativista, contando que uma centena de pessoas já deu uma ajuda com as agulhas, na marginal de Sines.

Adultos, jovens e crianças têm posto mãos ao tricô, de norte a sul, para ajudarem a "tecer a maior linha vermelha que seja possível" e "com ela percorrer o país".

Desde que começou, há sete meses, a linha, com 15 centímetros de largura, já vai em quase quatro quilómetros. A campanha só acabará quando os nove contratos para exploração de petróleo e gás forem cancelados.

SBR // JNM

Lusa/fim

+ notícias: País

Mais de 1.070 médicos foram alvo de processos disciplinares em 2018, 45 foram condenados

Mais de 1.070 processos disciplinares a médicos foram abertos no ano passado pelos conselhos disciplinares da Ordem, tendo sido condenados 45, segundo dados hoje divulgados.

Ministra da Cultura defende "revisão crítica" do modelo de apoio às artes

A ministra da Cultura, Graça Fonseca, defendeu hoje a necessidade de se avançar com uma "revisão crítica" do modelo de apoio às artes, vincando ser uma proposta recolhida nas muitas cartas e intervenções que tem visto.

Atualizado 19-10-2019 11:17

Retirar amianto é 50 vezes mais barato do que tratar doente de cancro

A Quercus alertou hoje que retirar uma cobertura de amianto de uma escola fica 50 vezes mais barato do que tratar um doente com mesotelioma, o cancro da pleura do pulmão provocado pela exposição àquela substância.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.