Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Chefe do Exército volta a nomear os cinco comandantes exonerados

Chefe do Exército volta a nomear os cinco comandantes exonerados
| Política
Porto Canal com Lusa

O chefe do Estado-Maior do Exército (CEME), Rovisco Duarte, voltou a nomear para os mesmos cargos os cinco comandantes que tinha exonerado para não perturbar as averiguações internas sobre o furto de material de guerra em Tancos.

"O Exército informa que os oficiais em causa foram nomeados pelo Chefe do Estado-Maior do Exército para os mesmos cargos, com efeitos a partir de 18 de julho de 2017", é referido num comunicado do Exército.

Esta decisão foi tomada "considerando que com a conclusão destas averiguações se encontram ultrapassadas as razões que justificaram a exoneração dos comandantes".

A exoneração destes militares tinha sido anunciada no passado dia 01 pelo CEME, em declarações à RTP.

"Não quero que haja entraves às averiguações e decidi exonerar os cinco comandantes das unidades que de alguma forma estão relacionadas com estes processos", anunciou Rovisco Duarte, em declarações à RTP.

O porta-voz do ramo, tenente-coronel Vicente Pereira, esclareceu posteriormente que estas exonerações visavam um "afastamento temporário" e que no final das investigações internas poderiam "voltar a funções".

Os militares que tinham sido exonerados são o comandante da Unidade de Apoio da Brigada de Reação Rápida, tenente-coronel Correia, o comandante do Regimento de Infantaria 15, coronel Ferreira Duarte, o comandante do Regimento de Paraquedistas, coronel Hilário Peixeiro, o comandante do Regimento de Engenharia 1, coronel Paulo Almeida, e o comandante da Unidade de Apoio de Material do Exército, coronel Amorim Ribeiro.

A decisão do CEME de exonerar os cinco comandantes de unidade suscitou polémica no Exército, com dois generais da estrutura superior do Exército a assumirem publicamente a sua discordância face à forma como o Rovisco Duarte geriu este caso.

O tenente-general António de Faria Menezes pediu a exoneração do comando das Forças Terrestres, ocupado agora em "suplência" pelo número 2, major-general Cóias Ferreira.

A segunda "baixa" foi a do tenente-general Antunes Calçada, que pediu a passagem à reserva por, segundo noticiou o semanário Expresso, "divergências inultrapassáveis" com o CEME alegadamente devido à forma como o general Rovisco Duarte decidiu exonerar os cinco comandantes.

+ notícias: Política

Miguel Guimarães diz que a solução para os atestados médicos está nas mãos do Governo

Miguel Guimarães, Bastonário da Ordem dos Médicos, afirma que a solução para a emissão os atestados eletrónicos, que permitem renovar a carta de condução, por parte dos médicos está nas mãos do Governo e já está atrasada "pelo menos dois meses".

BE adverte que travar plantação de eucalipto está agora nas mãos das autarquias

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE) afirmou hoje que o trabalho para travar a plantação do eucalipto “não está feito”, advertindo que compete agora às autarquias decidir que áreas podem ter, ou não, essa espécie.

Caldeira Cabral diz que todas as empresas que gerem emprego são bem-vindas

O Ministro da Economia diz que todas as empresas que gerem emprego são bem-vindas em Portugal. Caldeira Cabral respondeu assim ao cofundador da Altice, que se queixou que o Governo "não vê a importância" do investimento do grupo francês em Portugal.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS