Info

Quatro curtas portuguesas em competição no Festival Ibérico de Cinema de Badajoz

| País
Porto Canal com Lusa

Badajoz, 17 jul (Lusa) -- Quatro curta-metragens portuguesas competem na edição deste ano do Festival Ibérico de Cinema de Badajoz, que decorre entre quarta-feira e domingo, naquela cidade espanhola, cuja programação foi hoje anunciada.

Entre as 19 curtas-metragens a concurso, escolhidas entre 429, 25 das quais portuguesas, estão "Estilhaços", de José Miguel Ribeiro, "Fim de Linha", de Paulo D'Alva e António Pinto, "Menina", de Simão Cayatte, e "Final Call", de Sara Barbas.

"O comité selecionador do 23.º Festival Ibérico de Cinema destacou o elevado nível técnico dos trabalhos portugueses, assim como a aposta de Portugal por um género de cinema vanguardista e arriscado. Dos quatro trabalhos de Portugal que concorrem na secção oficial, três são de animação, os únicos do certame nesta categoria", refere a organização num comunicado hoje divulgado.

Nos filmes a concurso são tratados "temas como o islamismo, a ecologia, os trabalhadores imigrantes, a terceira idade ou a violência doméstica, abordados desde diferentes pontos de vista, desde o intimismo à comédia", adianta a organização.

As 19 curtas-metragens da secção oficial concorrem ao Prémio Onofre à Melhor Curta-metragem, no valor de três mil euros, bem como aos Prémios do Público de Badajoz, Olivença e San Vicente de Alcántara, dotados com 800 euros cada um.

A programação do festival, que decorre no teatro López de Ayala, inclui ainda "projeções de filmes fora de concurso, a realização de 'workshops' de cinema, e outras atividades".

JRS // MAG

Lusa/Fim

+ notícias: País

Costa portuguesa sob aviso laranja devido à agitação marítima

Toda a costa de Portugal continental está hoje sob aviso amarelo devido à previsão de agitação marítima forte, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Legião da Boa Vontade entrega 800 cabazes de natal em todo o país

A Legião da Boa Vontade vai entregar em todo o país 800 cabazes de natal. Hoje cem famílias carenciadas de braga receberem alimentos e brinquedos.

Em 2018 morreram 37 trabalhadores no sector da construção civil

Este ano morreram 37 trabalhadores no sector da construção civil. As contas são do Sindicato da Construção de Portugal, que admite que em 2019 possam vir a morrer mais trabalhadores, devido ao aumento do trabalho clandestino.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.