Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Banco de Portugal aplicou multas de 1,4 ME entre abril e junho

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 17 jul (Lusa) -- O Banco de Portugal aplicou multas de 1,4 milhões de euros aos bancos que supervisiona no segundo trimestre deste ano, no âmbito de 37 processo de contraordenação, segundo a informação hoje divulgada pela entidade.

De acordo com o supervisor bancário, entre abril e junho, foram decididos 37 processos de contraordenação, tendo sido em sequência desses que foram aplicadas multas.

"No contexto das referidas decisões foram proferidas pelo Banco de Portugal três admoestações e aplicadas coimas que totalizaram 1.455.500,00 euros (um milhão, quatrocentos e cinquenta e cinco mil e quinhentos euros)", segundo a informação divulgada.

Do valor das multas, 400 mil euros estão "suspensos na sua execução", não referindo o Banco de Portugal o motivo dessa suspensão.

A entidade liderada por Carlos Costa não refere as entidades sancionadas.

Quanto às contraordenações, 27 foram são relativas a infrações de natureza comportamental, seis infrações de natureza prudencial, três infrações sobre deveres respeitantes à prevenção do branqueamento de capitais e do financiamento do terrorismo e um processo de atividade financeira ilícita.

Ainda entre abril e junho, o Banco de Portugal abriu 46 processos de investigação que podem dar origem a contraordenações.

No primeiro trimestre deste ano, o Banco de Portugal tinha instaurado 54 processos de contraordenação e decidido 84, aplicando coimas que totalizaram os 230 mil euros.

IM // CSJ

Lusa/fim

+ notícias: Economia

CIP indisponível para aumentar salário mínimo para 600 euros

O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), António Saraiva, afirmou hoje, em entrevista conjunta à Antena1 e ao Jornal de Negócios, que não há disponibilidade para aceitar a proposta de 600 euros de salário mínimo para 2018.

O que podem os 'recibos verdes' esperar do IRS no próximo ano?

O Governo incluiu na proposta orçamental para 2018 mudanças ao regime simplificado de IRS que geraram críticas, tendo o PS agora apresentado outra solução, que abrange os profissionais liberais, mas exclui agricultores e pequenos comerciantes.

NOS "não aceita, nem compreende" que Anacom proponha fim contrado universal de telefone fixo

Lisboa, 20 nov (Lusa) - A NOS "não aceita, nem compreende" que a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) tenha recomendado o fim do contrato do serviço universal de telefone fixo, já que o contrato "tem sido escrupulosa e integralmente cumprido", afirmou hoje a operadora.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS