Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Despesa das famílias portuguesas desce em cinco anos

Despesa das famílias portuguesas desce em cinco anos
| Economia
Porto Canal com Lusa

As famílias portuguesas gastaram em média menos em 2015 e 2016 do que cinco anos antes, tendo descido o peso das despesas com alimentação e aumentado os custos com a habitação, revela hoje o INE.

Segundo os dados do inquérito às Despesas das Famílias 2015/2016 elaborado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), quase dois terços (60,3%) do total dos gastos destinavam-se a habitação, transporte e alimentação, e tinham um peso maior do que em 2010/2011 quando era de 57%, ou seja, menos 3,3 pontos percentuais.

A concentração das despesas naquelas áreas mantinha o perfil observado nas famílias portuguesas desde o início deste século, "embora com perda da importância relativa das despesas com produtos alimentares e bebidas não alcoólicas", explica.

A despesa total anual média dos agregados familiares foi de 20.363 euros, menos 28 euros do que o valor obtido no início da década, e entre aqueles que tinham crianças dependentes (25.254 euros) era cerca de 44% superior na comparaçao com os agregados sem crianças dependentes (17.494 euros).

Do total de despesas, 31,9% destinava-se a habitação, água, eletricidade, gás e outros combustíveis (6.501 euros), 14,3% a produtos alimentares e bebidas não alcoólicas (2.914 euros) e 14,1% a transportes (2.863 euros), aponta o INE.

+ notícias: Economia

Associação considera injusto que reformados da CGD paguem comissão de conta

A Associação de Defesa de Clientes Bancários (ABESD) considerou hoje injusto que parte dos clientes reformados da Caixa Geral de Depósitos (CGD) passem, a partir de 01 de setembro, a pagar comissão de manutenção da conta.

Projeto EMER vai injetar dois milhões de euros em empreendedorismo rural no Norte

Um grupo de 15 entidades do Norte integram um projeto para apoiar o empreendedorismo de pequenos negócios em territórios rurais. Chama-se EMER e contempla um envelope financeiro de dois milhões de euros.

Economia da zona euro cresce 1,9% este ano e 1,7% no próximo

O Fundo Monetário Internacional (FMI) reviu em alta as estimativas de crescimento económico da zona euro, esperando agora que a economia dos países da moeda única suba 1,9% este ano e 1,7% no próximo.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS