Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Curtas de Vila do Conde fecham a 25.ª edição com anúncio de vencedores

| Norte
Porto Canal com Lusa

Vila do Conde, Porto, 16 jul (Lusa) -- O festival internacional de Curtas de Vila do Conde termina hoje a 25.ª edição, em que se retomou como "barómetro da produção portuguesa", apresentando uma competição nacional com 16 dos mais recentes trabalhos de vários realizadores premiados.

"Água Mole", de Laura Gonçalves e Xá, "Altas Cidades de Ossadas", de João Salaviza, "Cedrim", de Diogo Vale, "Coelho Mau", de Carlos Conceição, "Coup de Grâce", de Salomé Lamas, "Das Gavetas Nascem Sons", de Vítor Hugo, "Farpões Baldios", de Marta Mateus, "Longe da Amazónia", de Francisco Carvalho, são oito dos filmes em competição.

A estes juntaram-se "O Homem Eterno", de Luís Costa, "Os Humores Artificiais", de Gabriel Abrantes, "Où En Êtes-Vous João Pedro Rodrigues?", de João Pedro Rodrigues, "Soltar", de Jenna Hasse, "A Sonolenta", de Marta Monteiro, "Surpresa", de Paulo Patrício, "Thursday Night", de Gonçalo Almeida, e "Verão Saturno", de Mónica Lima.

"Em 2017, a Competição Nacional do Curtas Vila do Conde volta a ser o barómetro da produção portuguesa, destacando a singularidade e a diversidade do cinema que se faz em Portugal com a estreia nacional dos últimos trabalhos de cineastas já habituais no festival, e de autores internacionalmente premiados, mas também de um conjunto de nomes promissores que se vão afirmando no campo da curta-metragem", indicou a organização.

A competição internacional contou com trabalhos de Jia Zhangke, Ben Rivers, Yann Gonzalez, Hu Wei, Laura Poitras, da dupla Caroline Poggi e Jonathan Vinel, assim como de Laura Ferrés, Jonathas de Andrade ou Toru Takano.

O festival manteve igualmente a competição experimental, com 24 curtas - que também incluem a produção portuguesa, através de nomes como Tânia Dinis e Miguel Ildefonso (com Jacques Nolot), entre outros -, os vídeos musicais, a Curtinhas e a secção Take One!, para trabalhos provenientes de escolas de cinema.

O Curtas apresentou ainda uma retrospetiva integral do cineasta francês F.J. Ossang, o realizador "In Focus" desta edição do festival, depois de ter vencido a competição experimental em 2009, com "Vladivostok!".

Ossang é descrito pela organização do 'Curtas' como "um radical livre", que pratica, "com o seu cinema, um estilo particular, partindo do mundo pós-apocalíptico de ficção científica, para se aproximar do punk e do film noir".

O realizador esteve em Vila do Conde para acompanhar a retrospetiva, ao longo da semana em que também viu o seu nome anunciado para o festival de Locarno, com a seleção de "9 Doigts", o seu mais recente filme, rodado em Portugal, numa coprodução com O Som e a Fúria. O filme conta com Paul Hamy como protagonista, ator que foi "O Ornitólogo", de João Pedro Rodrigues.

O realizador francês já filmara em Portugal "Le Trésor des Îles Chiennes", com o produtor Paulo Branco, fizera "Dharma Guns", com a participação da Cinemate, e entregara o papel principal de "Docteur Chance" ao ator Pedro Hestnes, que morreu em 2011, num elenco que também contava com Diogo Dória e José Wallenstein.

TDI (MAG) // MAG

Lusa/fim

+ notícias: Norte

Vila Nova de Cerveira fecha fontanários públicos para poupar água

A Câmara de Vila Nova de Cerveira encerrou, temporariamente, todos os fontanários públicos existentes no concelho face à situação de seca severa e extrema que o país atravessa, informou hoje aquela autarquia do Alto Minho.

Bactéria e-coli estará na origem de morte de menina da Maia

Foi a bacteria e-coli que provocou a morte da menina de sete anos da escola da Maia. A confirmaçao é da Direção-Geral de Alimentação e Veterinária, que explica tratar-se de uma bactéria contraida a partir de um alimento. Não se sabe se terá sido ou nao na escola, mas certo é que no estabelecimento já há pais a dizer que não voltam a dar comida da cantina aos filhos.

Denúncias revelam más condições do serviço de neurocirurgia do hospital de S. João

A falta de condições no serviço de neurocirurgia do Hospital de São João, no Porto, que há 10 anos funciona em contentores terá levado o diretor do serviço Rui Vaz a apresentar a demissão. Os profissionais falam em condições indignas para utentes que convivem alegadamente lado a lado com baratas, moscas e ratos.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS