Info

Redução "cega" do Estado terá custos para cidadãos e empresas - Ribau Esteves

| Política
Fonte: Agência Lusa

Aveiro, 05 jun (Lusa) - O presidente da Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro (CIRA) e antigo secretário-geral do PSD, Ribau Esteves, defendeu hoje que a reforma do Estado não deve ter uma "perspetiva cega" de redução de quadros.

"Reformar a administração pública no sentido de aumentar a sua eficiência e eficácia, numa lógica de sustentabilidade financeira e técnica, prestando serviços de qualidade, têm de ser os objetivos essenciais a atingir", defendeu Ribau Esteves.

Para Ribau Esteves não é desejável que "a perspetiva cega da redução de quadros propicie uma administração pública desqualificada e fonte de problemas e de custos para os cidadãos e as empresas".

As declarações foram proferidas por Ribau Esteves na qualidade de presidente da CIRA, a propósito do acordo a assinar na quinta-feira com a Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda (ESTGA), que garante estágios aos alunos nessas autarquias.

O acordo entre a escola politécnica da Universidade de Aveiro (UA) e a instituição que representa onze municípios da Beira-Litoral vai permitir que não só os estudantes daquele curso tenham acesso garantido a estágios nas câmaras municipais membros da CIRA, como, através de um programa de tutoria, serem acompanhados desde o primeiro ano e individualmente por um quadro superior autárquico.

Trata-se de um acordo inédito no país, no que toca ao acompanhamento de estudantes por tutores autárquicos, que pretende "antecipar a reforma da administração pública com a formação de quadros qualificados que possam ajudar à sua modernização e eficiência".

Da sua aplicação, prevê o presidente da CIRA, vái resultar um ganho de "recursos humanos melhor formados, novas ideias e energias para os municípios, cidadãos mais conhecedores e atentos e participação num processo de formação com relevante interesse público".

Gonçalo Paiva Dias, diretor da ESTGA, partilha da visão de Ribau Esteves: "estamos a viver um processo de reforma da administração pública que não pode passar apenas por encolhê-la. Tem de passar pela entrada de quadros qualificados para a administração pública, para que a possam ajudar a modernizar-se e a tornar-se mais eficiente".

Paiva Dias considera que "a qualificação média dos recursos humanos das câmaras municipais ainda é relativamente baixa" pelo que "é claramente necessário haver reforço a esse nível".

A inserção posterior no mercado de trabalho por parte dos estudantes da Licenciatura em Gestão Pública e Autárquica da ESTGA é objetivo assumido do protocolo, que prevê estágios com a duração de dois meses, orientados por tutores oriundos dos quadros superiores das autarquias, nas áreas da gestão contabilística, financeira, de recursos humanos e de sistemas de informação.

O protocolo é celebrado na quinta-feira, pelas 10:00, no auditório da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda, com a presença de Manuel António Assunção, reitor da Universidade de Aveiro, José Ribau Esteves, presidente da CIRA, e Gil Nadais, presidente da Câmara de Águeda.

MSO // JGJ

Lusa/Fim

+ notícias: Política

PAN mantém confiança em dirigente que deu "esclarecimentos jurídicos" a grupo violento

O partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) afirmou hoje que mantém a confiança política na sua dirigente Cristina Rodrigues, que vai pedir à Procuradoria-Geral da República que esclareça se está a ser investigada por alegadas ligações a um grupo violento.

Partidos entregaram já mais de 500 propostas de alteração ao Orçamento do Estado para 2019

Os partidos apresentaram já 527 propostas de alteração ao Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), com o ministro das Finanças a avisar que quaisquer alterações deverão respeitar “o equilíbrio orçamental”.

Manuel Machado diz que houve quem confundisse descentralização com regionalização

O presidente da Associação Nacional de Municípios diz-se satisfeito com o processo de descentralização. Manuel Machado garante que esta é só a primeira fase de uma transferência de competências mais ampla. E quanto aos autarcas que criticam a reforma fala de deslealdade e más interpretações

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.