Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Bombeiro internado no Hospital da Prelada no Porto com prognóstico reservado

Bombeiro internado no Hospital da Prelada no Porto com prognóstico reservado
| País
Porto Canal com Lusa

O bombeiro internado, desde a madrugada de domingo, na Unidade de Queimados do Hospital da Prelada, no Porto, vítima do incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande, mantém "um prognóstico reservado", informou esta segunda-feira fonte do hospital.

"Até ao momento não houve qualquer evolução do estado do ferido, que se encontra ventilado e apresenta queimaduras graves na face, nos membros superiores e inferiores", revelou fonte do Hospital da Prelada, em comunicado, indicando que a equipa médica continua a realizar "todos os procedimentos necessários" à melhor prestação de cuidados.

O bombeiro que está internado em "prognóstico reservado" deu entrada no Hospital da Prelada, na madrugada de domingo, "com queimaduras na face e nos membros superiores e inferiores", informou fonte oficial da unidade, referindo que o ferido, oriundo de Castanheira de Pera, foi assistido no local e transportado para a unidade portuense devidamente estabilizado.

Cerca das 17:00 de hoje, o número de pessoas que morreram no incêndio florestal que deflagrou no sábado em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, aumentou para 63 com a "triste notícia" da morte de um bombeiro da corporação de Castanheira de Pera que se encontrava internado no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), de acordo com o presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, Jaime Marta Soares.

Entre sábado e hoje, o CHUC recebeu 60 pessoas no serviço de urgência devido ao incêndio na zona de Pedrógão Grande, mantendo-se internados 25 doentes, enquanto outros 35 já tiveram alta.

No domingo, fontes hospitalar e governamental tinham informado que estavam hospitalizados 11 feridos em unidades de queimados de hospitais de Lisboa, Coimbra e Porto, em consequência do incêndio que deflagrou no sábado em Pedrógão Grande.

O ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, disse no domingo à Lusa que nas unidades de queimados de hospitais de Lisboa estavam internados dois feridos em Santa Maria e um no São José, além de outros sete no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC).

O fogo, que deflagrou às 13:43 de sábado, em Escalos Fundeiros, concelho de Pedrógão Grande, alastrou depois aos concelhos vizinhos de Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, no distrito de Leiria, e entrou também no distrito de Castelo Branco, pelo concelho da Sertã.

O último balanço dá conta de 63 mortos civis e 135 feridos.

Há ainda dezenas de deslocados, estando por calcular o número de casas e viaturas destruídas.

Além de Pedrógão Grande, existem quatro grandes fogos a lavrar nos distritos de Leiria, Coimbra e Castelo Branco. Em todo o País, os fogos mobilizam um total de cerca de 2.155 operacionais, 666 veículos e 21 meios aéreos.

+ notícias: País

Vigília em frente ao parlamento exige inquérito às adoções ilegais ligadas à IURD

Cerca de duas centenas de pessoas juntaram-se em frente à Assembleia da República para exigir a criação de "uma comissão parlamentar de inquérito, isenta" sobre os casos de adoções ilegais envolvendo a Igreja Universal do Reino de Deus (IURD).

Incêndio destrói módulo de produção de fábrica de capacetes em Anadia

Um incêndio destruiu, este sábado, um dos módulos de produção da fábrica de capacetes Nexx, situada em Anadia, Aveiro, sendo que os bombeiros ainda vão ficar no local de prevenção cerca de duas horas, apurou o Porto Canal no local.

Atualizado 20-01-2018 19:14

Vírus informáticos atacaram escutas da Operação Marquês no momento da interceção

O Ministério Público esclareceu este sábado que as escutas da Operação Marquês, atacadas por dezenas de vírus informáticos, foram contaminadas "no momento da interceção", e não no procedimento de cópia dos ficheiros ou no processo de análise durante a investigação.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.