Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Cerca de 80 habitantes de aldeias evacuadas em Pedrógão Grande acolhidos na Santa Casa da Misericórdia

Cerca de 80 habitantes de aldeias evacuadas em Pedrógão Grande acolhidos na Santa Casa da Misericórdia
twitter
| País
Porto Canal com Lusa

Cerca de 80 habitantes de aldeias de Pedrógão Grande evacuadas devido às chamas foram acolhidos nas instalações da Santa Casa da Misericórdia, onde estão a ser alimentados.

"A missão principal da Santa Casa da Misericórdia é acudir aos necessitados e com esta catástrofe que aconteceu, infelizmente no nosso concelho, quisemos dizer presente", afirmou à agência Lusa o diretor, João Marques.

Segundo o responsável, apesar dos 83 utentes do lar e dos 32 utentes da Unidade de Cuidados Continuados, foi possível receber os habitantes das aldeias, a maioria idosos.

"Recebemos pessoas de aldeias que foram retiradas desde o final do dia de ontem (domingo). Tivemos que improvisar", contou.

A Unidade de Cuidados Continuados foi adaptada sobretudo "para aqueles que têm maior dependência", acrescentou.

"Penso que estamos a conseguir dar resposta a estas necessidades, mesmo também ao nível das refeições", afirmou.

João Marques disse que, no domingo à noite, "todos tiveram uma refeição quente" e que hoje de manhã foi dado um saco com fruta e sandes.

"Agora vão almoçar uma refeição quente e depois vão levar um saco com fruta, água e leite para casa", acrescentou, agradecendo às empresas e aos particulares que ofereceram alimentos à Misericórdia.

Muitos dos habitantes das aldeias tiveram de abandonar as casas à pressa, sem poderem ir buscar os medicamentos que têm de tomar diariamente.

"Além de termos identificado as pessoas, tivemos três enfermeiros a perguntar que tipo de medicamentos tomam e que doenças têm, para podermos dar resposta àquelas que não tiveram tempo de trazer os medicamentos para cá", explicou.

À hora de almoço, o responsável não tinha ainda indicação das autoridades de que os idosos poderiam regressar a casa.

"Quem trouxe as pessoas para aqui foram os bombeiros e a GNR e, até agora, não temos ordem para as deixar sair, mas também não as podemos impedir. Estamos a aguardar que a GNR e os bombeiros decidam", referiu.

O fogo, que deflagrou na tarde de sábado, em Escalos Fundeiros, concelho de Pedrógão Grande, alastrou depois aos concelhos vizinhos de Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, no distrito de Leiria, e entrou também no distrito de Castelo Branco, pelo concelho da Sertã.

O último balanço dá conta de 62 mortos civis e 62 feridos, dois deles em estado grave. Entre os operacionais, registam-se dez feridos, quatro em estado grave. Há ainda dezenas de deslocados, estando por calcular o número de casas e viaturas destruídas.

O Governo decretou três dias de luto nacional, até terça-feira.

+ notícias: País

Autarquias portuguesas estão a tomar medidas para prevenir ataques terroristas

Em Portugal, algumas autarquias estão a tomar medidas para prevenir ataques terroristas como aquele que aconteceu em Barcelona. No Porto, só são colocadas barreiras de betão em eventos com grande concentração de pessoas. Já em Vila Nova de Gaia, à beira-rio foram colocadas barreiras na altura do São João mas a autarquia optou por mantê-las.

O que fazer em caso de atentado terrorista?

A PSP lançou um guia para a população seguir em caso de ataque terrorista em Portugal. Fugir, proteger e ligar são os três principais conselhos.

Número de detidos por suspeita de fogo posto quase duplicou face a 2016

As forças de segurança detiveram este ano 102 pessoas suspeitas do crime de incêndio florestal, quase o dobro do número registado (53) em 2016, segundo o comandante da Autoridade Nacional de Proteção Civil.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

Nota Alta

"Todos nós estamos desenhados...