Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Pedrógão Grande: Fogo idêntico pode ocorrer em três quartos do país

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 19 jun (Lusa) - O presidente do Fórum Florestal, António Louro, alertou hoje que um incêndio como o que deflagrou em Pedrógão Grande pode acontecer em três quartos do território português, que tem uma paisagem e condições semelhantes.

"Infelizmente o potencial para acontecerem novas tragédias é extremamente elevado", disse à agência Lusa António Louro, rematando: "o mais preocupante é que aquilo que aconteceu em Pedrógão podia ter acontecido em três quartos do nosso território".

Há dez anos a alertar para este perigo, António Louro confessou que o seu espanto é ter "demorado tanto tempo a acontecer uma tragédia desta dimensão".

"Tivemos muita sorte de ter demorado tanto tempo a acontecer", porque "as situações de perigo no combate aos incêndios florestais são extremamente recorrentes", assim como as condições climatéricas adversas, adiantou.

Sobre o que tem falhado, António Louro disse que têm "faltado estadistas e capacidade enquanto país de perceber o que é que está a acontecer" às populações rurais e "tomar medidas adequadas para corrigir a situação".

Durante séculos a ferramenta para gerir estes territórios foi a aldeia e o agricultor, mas com "as grandes mudanças socioeconómicas que aconteceram, a agricultura deixou de ser minimamente aliciante para que as pessoas continuassem com esse modo de vida e foi naturalmente abandonada".

Aquilo que hoje existe são "enormes extensões de território que têm proprietários legítimos, mas que já não têm um modo de vida compatível" com a gestão destes espaços.

"Infelizmente o país não foi capaz de reagir às profundas mudanças que aconteceram no território rural, à saída das pessoas, há mudança do tipo de proprietários, e as consequências estão à vista: uma paisagem completamente insustentável com um clima como o nosso", sublinhou.

Para evitar novos incêndios destas dimensões, o presidente do Fórum Florestal defendeu que é preciso procurar "novas soluções de gestão para os territórios rurais", que permitam implementar o ordenamento, e sistemas de gestão.

Defendeu ainda que as autoridades deviam pensar com urgência como é que as verbas do plano Junker podem ser alocadas "a um verdadeiro plano de desenvolvimento da floresta em Portugal".

O fogo, que deflagrou às 13:43 de sábado, em Escalos Fundeiros, concelho de Pedrógão Grande, alastrou depois aos concelhos vizinhos de Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, no distrito de Leiria, e entrou também no distrito de Castelo Branco, pelo concelho da Sertã.

O último balanço dá conta de 62 mortos civis e 62 feridos, dois deles em estado grave. Entre os operacionais, registam-se dez feridos, quatro em estado grave. Há ainda dezenas de deslocados, estando por calcular o número de casas e viaturas destruídas.

O Governo decretou três dias de luto nacional, até terça-feira

HN // JPF

Lusa/Fim

+ notícias: País

Homem matou a mulher e tentou suicidar-se em Sever do Vouga

Um homem de 69 anos matou a mulher de 66 anos e tentou cometer suicídio, esta terça-feira de manhã, na residência do casal, em Silva Escura, Sever do Vouga, disse à Lusa fonte da GNR.

Associação Zero acusa Governo de manipular dados da reciclagem

A associação ambientalista Zero acusou esta terça-feira o Governo de manipular os dados dos resíduos urbanos, declarando como recicladas quase 270 mil toneladas que foram para aterros, recebendo assim mais dinheiro e apresentando um melhor desempenho.

Atualizado 16-01-2018 16:21

Combustão de resíduos da antiga mina do Pejão "não representa alarme" segundo empresa

A empresa EDM comunicou esta terça-feira que a combustão de resíduos das antigas minas do Pejão, em Castelo de Paiva, que ocorre desde outubro, "não representa no imediato um motivo de alarme para a população".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.