Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Pedrógão Grande: Líder do PSD diz que ainda é cedo para avaliação política mas não se pode desdramatizar

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 19 jun (Lusa) - O líder do PSD defendeu hoje que não se pode desdramatizar as consequências do incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande, defendeu que ainda é cedo "para fazer uma avaliação política" mas alertou que esse momento chegará.

No final de uma reunião de mais de hora e meia com o presidente da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), Pedro Passos Coelho salientou que a tragédia ocorrida na sequência do incêndio que já causou 62 mortos "não tem paralelo em Portugal e, por essa razão, não faz sentido desdramatizar a situação".

"As pessoas quererão saber, têm o direito a saber, a explicação para que isto tivesse acontecido. Este ainda não é o momento de poder fornecer essa resposta cabal, eu penso que ela ainda não existe", afirmou, salientando que a primeira resposta terá de ser dada ao nível técnico.

Para o líder do PSD, posteriormente terá de haver igualmente "uma avaliação de natureza política".

"Mas não é esta a altura para fazer essa avaliação política. No dia em que for necessário dar uma resposta política adequada a esta matéria cá estarei também, mas penso que há outros antes de mim que têm de dizer alguma coisa", afirmou.

SMA // ZO

Lusa/fim

+ notícias: Política

Desemprego, saneamento e o envelhecimento da população foram os principais temas no debate de Ponte de Lima

Manuel Barros, Vitor Mendes, João Gomes, Filipe Viana e Abel Baptista estiveram presentes no Porto Canal a debater essencialmente questões ligadas ao desemprego, o saneamento e o envelhecimento da população.

Passos diz que Governo deu razão a Cavaco e que "retóricas mentirosas têm perna curta"

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, afirmou este domingo que o Governo "demorou duas semanas a dar razão" ao ex-Presidente da República Cavaco Silva e defendeu que "as retóricas mentirosas" têm um prazo de validade curto.

Cristas diz folgar em saber que Costa quer "acordar para a dívida"

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, defendeu este domingo que o primeiro-ministro, António Costa, "finalmente, parece querer acordar para a dívida", cujos níveis elevados não mereceram ação consistente nem preocupação do Governo.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

Nota Alta

"Todos nós estamos desenhados...