Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Pedrógão Grande: É uma tragédia quase sem precedente, a nossa dor não tem medida

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 18 jun (Lusa) - O Presidente da República afirmou hoje que o incêndio no distrito de Leiria que matou pelo menos 61 pessoas é "uma tragédia quase sem precedente na história do Portugal democrático", e provoca uma dor sem medida.

"A nossa dor neste momento não tem medida, como não tem medida a nossa solidariedade, a solidariedade de todos nós para com os familiares das vítimas da tragédia de Pedrógão Grande", declarou o chefe de Estado, numa comunicação ao país, a partir da Sala das Bicas do Palácio de Belém, em Lisboa.

Marcelo Rebelo de Sousa referiu que "uma só morte em tais circunstâncias é sempre uma tragédia" e acrescentou que "tantas dezenas de mortos representam uma tragédia quase sem precedente na história do Portugal democrático".

O Presidente da República expressou "gratidão" e "incondicional apoio" a todos os que estão envolvidos no combate ao incêndio e no apoio às populações atingidas, "bombeiros, Proteção Civil, INEM [Instituto Nacional de Emergência Médica], Guarda Nacional Republicana, Polícia Judiciária, Forças Armadas, autarquias locais, estruturas de saúde e sociais, povo anónimo".

"Com eles estarei nos próximos dias, a partir já de amanhã [segunda-feira]", adiantou.

IEL // ZO

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Desemprego, saneamento e o envelhecimento da população foram os principais temas no debate de Ponte de Lima

Manuel Barros, Vitor Mendes, João Gomes, Filipe Viana e Abel Baptista estiveram presentes no Porto Canal a debater essencialmente questões ligadas ao desemprego, o saneamento e o envelhecimento da população.

Passos diz que Governo deu razão a Cavaco e que "retóricas mentirosas têm perna curta"

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, afirmou este domingo que o Governo "demorou duas semanas a dar razão" ao ex-Presidente da República Cavaco Silva e defendeu que "as retóricas mentirosas" têm um prazo de validade curto.

Cristas diz folgar em saber que Costa quer "acordar para a dívida"

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, defendeu este domingo que o primeiro-ministro, António Costa, "finalmente, parece querer acordar para a dívida", cujos níveis elevados não mereceram ação consistente nem preocupação do Governo.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

Nota Alta

"Todos nós estamos desenhados...