Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Pedrógão Grande: Nesta hora de dor e combate, guardemos as interrogações que nos angustiam

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 18 jun (Lusa) - O Presidente da República apelou hoje à união do país nesta "hora de dor, mas também de combate", e pediu aos portugueses que guardem no imediato as interrogações que os angustiam sobre o incêndio no distrito de Leiria.

Numa comunicação ao país, a partir do Palácio de Belém, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou: "Nesta hora, há também interrogações e sentimentos que não podem deixar de nos angustiar, a começar por um sentimento de crescida injustiça, porque a tragédia atingiu aqueles portugueses de quem menos se fala, de um país rural, isolado, com populações dispersas, mais idosas, mais difíceis de contactar, de proteger e de salvar".

"Guardemos, contudo, no imediato, este e outros sentimentos que legitimamente nos sobressaltam, inconformistas que somos, no mais fundo do nosso coração", pediu.

"Sem os esquecermos, concentremos agora a nossa vontade no essencial: prosseguir o combate em curso, manter e alargar de forma ativa e consequente a nossa solidariedade a todos quantos sofreram e ainda sofrem a tragédia, demonstrando que nos instantes mais difíceis da nossa vida como nação, somos como um só, por Portugal", acrescentou.

IEL // ZO

Lusa/Fim

+ notícias: Política

EMA: uma história de manobras de poder que pode 'sorrir' ao Porto

O Porto é candidata a receber a sede da Agência Europeia do Medicamento (EMA, na sigla original) depois de muitas pressões políticas que levaram o Governo a recuar na decisão de candidatar Lisboa.

Governo diz que compromisso com professores é financeiramente sustentável

O Governo congratulou-se com o acordo alcançado com os sindicatos da educação para a reposição salarial do tempo de serviço congelado e diz que o compromisso assinado traduz "um modelo responsável, financeiramente sustentável".

OE2018: Partidos apresentam mais de 600 propostas de alteração

Os grupos parlamentares apresentaram na sexta-feira mais de 600 propostas de alteração ao Orçamento do Estado para 2018 (OE2018), sendo o PCP o mais ativo (mais de 120 registos) e o PEV o que apresentou menos medidas (30).

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS