Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Câmaras de Gondomar e Gaia defendem proibição da venda de balões de S. João

| Política
Porto Canal com Lusa

As câmaras de Gondomar e de Gaia defendem a proibição da venda dos tradicionais balões de ar quente lançados no São João que motivaram a decisão de suspender durante mais de três horas os voos no aeroporto naquela noite.

Na reunião que decorreu na passada segunda-feira, em que foi decidida a suspensão da partida e aterragem de aviões entre as 21h45 do dia 23 e a 01h00 do dia 24 de junho pelo perigo para a segurança aeronáutica, a Câmara de Gaia disse ser "o município regista o maior número de ocorrências relacionadas com incêndios na noite de S. João porque, devido ao vento predominante de Norte/Noroeste, a generalidade das lanternas lançadas nos concelhos vizinhos acaba por cair no seu concelho".

"[A representante da Câmara de Gaia] salientou que têm vivido um drama que se repete ano após ano, com incêndios em habitações, em viaturas e até já tiveram de evacuar um lar de idosos devido a um incêndio nas proximidades", lê-se ata da reunião, a que a Lusa teve acesso, partilhando "a adoção de uma medida destinada à proibição da venda dos balões".

Também o representante da Câmara Municipal de Gondomar corroborou "a importância de se atuar sobre a interdição da comercialização dos balões", apontando como solução alternativa "a antecipação do período crítico de incêndios que habitualmente tem início a 01 de julho, interditando-se assim a largada de balões durante as festas de S. João, a fim de evitar consequências negativas sobre o aeroporto de Porto, o qual deve ser protegido de restrições operacionais por se tratar de um forte impulsionador do desenvolvimento económico da região Norte".

Na reunião que reuniu o regulador (ANAC), a ANA - Aeroportos de Portugal e a NAV, a Câmara da Maia, onde se localiza o Aeroporto Francisco Sá Carneiro, defendeu o encerramento do espaço aéreo como sendo "a solução mais adequada".

A decisão de suspender voos durante mais de três horas no Aeroporto do Porto na noite de São João foi tomada devido ao "aumento exponencial" de largada de balões e um número de movimentos intenso, havendo "mais aeronaves sujeitas ao perigo" do eventual impacto.

A resposta imediata "ao perigo" foi a suspensão da partida e aterragem de aviões entre as 21:45 do dia 23 e a 01:00 do dia 24 de junho, mas, em julho, o grupo voltará a reunir-se para identificar "outras medidas destinadas a garantir, no futuro, a operação segura das aeronaves sem recurso ao encerramento do espaço aéreo".

+ notícias: Política

Autarca de Vila Real quer ir até Bruxelas denunciar aplicação dos fundos comunitários

O presidente da Câmara de Vila Real apelou hoje à união dos autarcas do Douro para denunciaram em Bruxelas a aplicação do quadro comunitário, porque disse ser "dolorosamente evidente" que vai agravar a divergência entre os territórios nacionais.

Miguel Cadilhe pede "coragem política" para mudar o interior

O antigo Ministro das Finanças, Miguel Cadilhe, pede "coragem política" para mudar o interior. O apelo surge no dia em que foi apresentado como coordenador do Movimento pelo interior.

Centeno diz ser altura de "recolher benefícios" de esforços

O ministro das Finanças e recém-eleito presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, afirmou ser altura de "recolher benefícios" dos esforços realizados em anos de crise económica e de concluir a união bancária.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS