Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Câmaras de Gondomar e Gaia defendem proibição da venda de balões de S. João

| Política
Porto Canal com Lusa

As câmaras de Gondomar e de Gaia defendem a proibição da venda dos tradicionais balões de ar quente lançados no São João que motivaram a decisão de suspender durante mais de três horas os voos no aeroporto naquela noite.

Na reunião que decorreu na passada segunda-feira, em que foi decidida a suspensão da partida e aterragem de aviões entre as 21h45 do dia 23 e a 01h00 do dia 24 de junho pelo perigo para a segurança aeronáutica, a Câmara de Gaia disse ser "o município regista o maior número de ocorrências relacionadas com incêndios na noite de S. João porque, devido ao vento predominante de Norte/Noroeste, a generalidade das lanternas lançadas nos concelhos vizinhos acaba por cair no seu concelho".

"[A representante da Câmara de Gaia] salientou que têm vivido um drama que se repete ano após ano, com incêndios em habitações, em viaturas e até já tiveram de evacuar um lar de idosos devido a um incêndio nas proximidades", lê-se ata da reunião, a que a Lusa teve acesso, partilhando "a adoção de uma medida destinada à proibição da venda dos balões".

Também o representante da Câmara Municipal de Gondomar corroborou "a importância de se atuar sobre a interdição da comercialização dos balões", apontando como solução alternativa "a antecipação do período crítico de incêndios que habitualmente tem início a 01 de julho, interditando-se assim a largada de balões durante as festas de S. João, a fim de evitar consequências negativas sobre o aeroporto de Porto, o qual deve ser protegido de restrições operacionais por se tratar de um forte impulsionador do desenvolvimento económico da região Norte".

Na reunião que reuniu o regulador (ANAC), a ANA - Aeroportos de Portugal e a NAV, a Câmara da Maia, onde se localiza o Aeroporto Francisco Sá Carneiro, defendeu o encerramento do espaço aéreo como sendo "a solução mais adequada".

A decisão de suspender voos durante mais de três horas no Aeroporto do Porto na noite de São João foi tomada devido ao "aumento exponencial" de largada de balões e um número de movimentos intenso, havendo "mais aeronaves sujeitas ao perigo" do eventual impacto.

A resposta imediata "ao perigo" foi a suspensão da partida e aterragem de aviões entre as 21:45 do dia 23 e a 01:00 do dia 24 de junho, mas, em julho, o grupo voltará a reunir-se para identificar "outras medidas destinadas a garantir, no futuro, a operação segura das aeronaves sem recurso ao encerramento do espaço aéreo".

+ notícias: Política

Presidente da República promulga "Programa de Apoio ao Acesso à habitação"

O Presidente da República promulgou esta terça-feira o diploma do Governo que estabelece o "1.º Direito -- Programa de Apoio ao Acesso à Habitação", expressando a expectativa de que esta legislação não irá sobrecarregar as autarquias locais.

Oposição da Câmara do Porto quer revisão do regulamento do 'Porto de Tradição'

A classificação de estabelecimentos do Porto como lojas históricas esteve em discussão na reunião da Câmara Municipal do Porto. A oposição quer a revisão do regulamento do 'Porto de Tradição', iniciativa que avalia o interesse histórico das lojas.

Secretário de Estado da Educação fala sobre os desafios do ensino profissional em Vizela

Os desafios do ensino profissional estiveram em debate, em Vizela, num encontrou que contou com a presença do Secretário de Estado da Educação.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.