Info

Matadouro na lista de imóveis que Câmara do Porto quer alientar por 21,4 ME

| Norte
Fonte: Agência Lusa

Porto, 05 dez (Lusa) -- A Câmara do Porto quer vender em 2014 vários imóveis por 21,4 milhões de euros, incluindo na lista o ex-matadouro onde o presidente Rui Moreira quer instalar o Pólo de Apoio a Pequenas e Médias Empresas do Porto.

Da "listagem dos imóveis a alienar" incluída no orçamento para 2014 a que a Lusa teve hoje acesso faz ainda parte o Palacete Pinto Leite, na rua da Maternidade, com o valor de 2,5 milhões de euros.

Na reunião de Câmara de terça-feira, a Câmara vai votar já a venda em hasta pública, por pelo menos 1,050 milhões de euros, dos prédios doados em junho à empresa municipal Porto Lazer para pagar o projeto do Palácio de Cristal.

Com a venda em hasta pública dos dois prédios transferidos para a Porto Lazer, situados nas ruas do Clube Fluvial Portuense e rua de S. João e com uma área global de 294 metros quadrados, a autarquia espera angariar pelo menos um milhão e cinquenta mil euros, escreve-se num dos documentos.

Na proposta, o presidente da autarquia, Rui Moreira, justifica a mudança de planos com o facto da Câmara do Porto ter tomado "conhecimento da existência de eventuais interessados na aquisição dos imóveis" que deviam passar para as mãos da empresa municipal.

Para o autarca, a localização dos mesmos, no centro histórico da cidade, "constitui motivo de atratividade ao desenvolvimento de projetos de investimento que, a concretizarem-se, se afiguram de relevante interesse municipal".

Em junho, quando decidiu abandonar o modelo de reabilitação e exploração do Palácio de Cristal, a Câmara aprovou a "aquisição à Porto Lazer do projeto de reabilitação elaborado pelo arquiteto José Carlos Loureiro" por pouco mais um milhão e cinquenta mil euros, determinando que o pagamento seria feito através da doação de imóveis municipais.

O novo presidente decidiu agora alienar os prédios, mas alerta que "a substituição dos imóveis a transmitir à Porto Lazer" será indicada "através de proposta a submeter oportunamente à aprovação dos órgãos competentes".

A Câmara do Porto vai assim leiloar, em data a determinar, os prédios situados na Rua do Clube Fluvial Portuense, n.º 1 a 11 e Rua de S. João, n.º 38 a 40, "composto por uma casa de sete pavimentos, com a área global de 182 m2", bem como na Rua do Clube Fluvial Portuense, n.º 13/17 e Rua de S. João, n.º 42, também "composto por uma casa de sete pavimentos, com a área global de 112 m2".

Quanto ao Matadouro, numa nota de imprensa divulgada na terça-feira, a autarquia indicava o equipamento como um dos "projetos relevantes e estratégicos que não serão descurados pela autarquia" que não tinha impacto no orçamento para 2014, por se ter a expectativa de os resolver "com o estabelecimento de parcerias adequadas e com recurso, designadamente, a financiamento comunitário".

Durante o ano de 2014, a expectativa da autarquia é angariar 9,9 milhões de euros com a venda de terrenos e 11,4 milhões com a alienação de edifícios, descreve-se num anexo aos documentos de gestão previsional do município para 2014, intitulado "Listagem dos imóveis a alienar".

Os terrenos situam-se no Campo Alegre, rua Mota Pinto e Joaquim Leitão, rua de Alfredo Ferreira Faria, rua Cidade do Mindelo, Largo da Saudade, no gaveto da rua do Bom Sucesso com a rua da Piedade, e na Avenida Cidade Xangai.

Quanto aos edifícios, para além dos já referidos, fazem parte da lista imóveis na Calçada da Boa Viagem, na rua da Reboleira e Muro dos Bacalhoeiros, rua de Trás e rua dos Caldeireiros, Escadas dos Guindais e na rua Bartolomeu Velho e rua Viana de Lima.

ACG // ZO

Lusa/fim

+ notícias: Norte

PS Porto pede reversão do processo de extinção de freguesias na cidade

A concelhia do PS/Porto quer desagregar as freguesias da cidade. O presidente da concelhia, Tiago Barbosa Ribeiro, diz que a reforma levada a cabo pelo governo de Passos Coelho violou o património identitário.

Prazo das obras do metro do Porto alargado até 9 de março

Foi prolongado por mais duas semanas o prazo para candidaturas às obras do metro do Porto. Em causa estão a nova linha Rosa e a extensão da linha Amarela.

Cerâmica Valadares a funcionar em pleno oito anos depois da insolvência

Depois de declarada insolvente, a centenária Valadares ressuscitou e comprou as instalações onde está sediada. A cerêmica Valadares está a funcionar em pleno, em Vila Nova de Gaia.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.