Info

Conselho de Prevenção da Corrupção reuniu-se com comissão para privatização dos CTT

| Política
Fonte: Agência Lusa

Lisboa, 04 dex (Lusa) - O Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), um organismo que funciona junto do Tribunal de Contas, anunciou hoje que teve uma reunião com a comissão de acompanhamento do processo de privatização dos CTT - Correios Portugal e que fez recomendações.

Em comunicado, o órgão refere que "procedeu hoje à audição da comissão de acompanhamento do processo de privatização da sociedade CTT -- Correios de Portugal", no dia em que vão ser conhecidos os acionistas de referência da empresa.

"Como tem acontecido com os demais processos de privatização, o CPC procedeu às audições das comissões de acompanhamento respetivas e formulou recomendações quanto à prevenção de riscos", não adiantado mais pormenores.

Ao final do dia serão conhecidos os novos acionistas dos CTT, em véspera dos títulos serem cotados em bolsa, sendo que a maioria da procura das ações dos Correios de Portugal veio de fora do país.

O Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações (SNTCT) convocou para quinta-feira, dia em que as ações começam a ser cotadas uma concentração em frente à porta da Euronext Lisbon em protesto contra a privatização dos Correios de Portugal.

ALU//

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Covid-19: Jerónimo de Sousa avisa Governo para não repetir "dose" de gestão privada na TAP

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, insistiu hoje na necessidade de nacionalização da companhia aérea TAP e avisou o Governo para não repetir a "dose" de permitir que a empresa continue a ser gerida por privados.

Inspeção ao aterro de Valongo "levanta algumas preocupações" - ministro

O ministro do Ambiente afirmou que o relatório provisório da inspeção ao aterro de Valongo “levanta algumas preocupações”, mas remeteu novidades para segunda ou terça-feira.

Costa afasta "Bloco Central" e recusa aceitar incapacidade da esquerda para visão comum

O secretário-geral socialista garantiu hoje que vai manter o rumo político e não haverá "Bloco Central" PS/PSD, frisando que recusa aceitar que a esquerda seja incapaz de se entender sobre uma visão comum para o país.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.