Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Número de beneficiários de prestações de desemprego cai 13% em abril

Número de beneficiários de prestações de desemprego cai 13% em abril
| Economia
Porto Canal com Lusa

A Segurança Social pagou em abril deste ano prestações de desemprego a 211431 beneficiários, mais 173 beneficiários (0,10%) do que em março, mas menos 30738 (12,7%) face a abril de 2016, foi esta sexta-feira divulgado.

De acordo com dados estatísticos disponibilizados na página da Segurança Social na internet, no quarto mês deste ano foram processadas 211.431 prestações de desemprego, quando em março tinham sido processadas 211.258.

As prestações de desemprego incluem o subsídio de desemprego, o subsídio social de desemprego inicial e o subsequente, o prolongamento do subsídio social de desemprego e a medida extraordinária de apoio aos desempregados de longa duração.

De resto, no final de abril havia 1.070.529 titulares do abono de família, menos 5% face ao mesmo mês de 2016.

Os beneficiários de subsídio de doença ascenderam no período a 156.109, quase mais 20% do que em abril do ano passado.

Já o número de beneficiários de prestações de parentalidade avançou 17% em termos homólogos para 40.901 em abril.

O número de beneficiários do Rendimento Social de Inserção (RSI) cresceu 2% para 214.220 e o número de beneficiários do Complemento Solidário para Idosos (CSI) também subiu 2% para 165.075.

Por fim, o número de beneficiários de Pensões de Velhice aumentou ligeiramente (0,3%) para 2.031.827.

+ notícias: Economia

CIP indisponível para aumentar salário mínimo para 600 euros

O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), António Saraiva, afirmou hoje, em entrevista conjunta à Antena1 e ao Jornal de Negócios, que não há disponibilidade para aceitar a proposta de 600 euros de salário mínimo para 2018.

O que podem os 'recibos verdes' esperar do IRS no próximo ano?

O Governo incluiu na proposta orçamental para 2018 mudanças ao regime simplificado de IRS que geraram críticas, tendo o PS agora apresentado outra solução, que abrange os profissionais liberais, mas exclui agricultores e pequenos comerciantes.

NOS "não aceita, nem compreende" que Anacom proponha fim contrado universal de telefone fixo

Lisboa, 20 nov (Lusa) - A NOS "não aceita, nem compreende" que a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) tenha recomendado o fim do contrato do serviço universal de telefone fixo, já que o contrato "tem sido escrupulosa e integralmente cumprido", afirmou hoje a operadora.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS