Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Candidato da UNITA não quer governantes portugueses a visitar Angola antes das eleições

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Porto, 19 mai (Lusa) - O presidente da UNITA e candidato às eleições presidências, Isaías Samakuva, disse hoje que não quer governantes portugueses a visitar Angola antes da conclusão do processo eleitoral agendado para agosto, ao contrário do sucedido em 1992, 2008 e 2012.

No início de um roteiro que abrange também Espanha e França para apresentar a sua candidatura, o líder do partido do "Galo negro" apelou, na cidade do Porto, a uma postura "equidistante" portuguesa num processo em que pode vir a desempenhar "um papel fundamental".

"Verificámos em três pleitos eleitorais -1992, 2008 e 2012 - que na aproximação da campanha eleitoral dirigentes políticos portugueses visitaram Angola e saíram com discursos laudatórios sobre quem estava a governar o país", lembrou Isaías Samakuva.

E prosseguiu: "Naturalmente que quando faltam dois ou três meses para as eleições e vem uma entidade estrangeira e diz que o governo está bom e que está tudo bem, está a dizer ao eleitor que não há razões para mudar de governo".

"Quisemos desta vez transmitir por portas travessas que os governantes portugueses não deviam visitar agora Angola, mas que o façam depois das eleições", manifestou.

No dia em que chegou ao Porto, o político angolano deixou ainda um conselho aos governantes portugueses sobre o processo que se concluirá com a eleição do sucessor de José Eduardo dos Santos na presidência de Angola.

"Pensamos que, desta vez, Portugal devia desempenhar, em primeiro lugar, um papel de equidistância e em segundo devia ajudar Angola a organizar um processo credível", disse.

Samakuva salientou que os processos eleitorais ocorridos naquele país "têm sido todos fraudulentos" e que, "muitas vezes, os países europeus ficam indiferentes a essas situações".

"Desta vez temos vindo a insistir junto da União Europeia e das autoridades angolanas para que o país se abra para uma observação que possa no final do processo dizer que houve o cumprimento da lei", salientou.

E continuou: "Portugal pode ser um facilitador disso mesmo. O papel de Portugal pode ser muito importante, até mesmo fundamental, porque as relações que tem com o governo angolano permitem exercer uma influência positiva para que este processo eleitoral seja credível".

Samakuva entende que o povo angolano "está cansado e à espera que seja um processo transparente", até porque se o contrário acontecer, prevê que aconteça "alguma turbulência".

"Ela não virá nem da UNITA nem de outros partidos políticos, mas do cidadão comum que ao não ver uma mudança a realizar-se na Angola pode vir para as ruas protestar", disse.

O líder da UNITA revelou que no decurso da visita a Portugal "não vai reunir-se com nenhum governante português", antes mantendo contactos com a sociedade civil, empresários, homens de negócios e académicos.

JYFO // ANP

Lusa/fim

+ notícias: Mundo

População da Dominica "perdeu tudo o que podia ter perdido" com furacão Maria

Os habitantes da Dominica "perderam tudo o que podiam ter perdido" após a passagem do furacão Maria, disse hoje o primeiro-ministro daquela ilha das Caraíbas, Roosevel Skerrit.

Polícia britânica detém segundo suspeito de ataques ao metro de Londres

Um segundo suspeito dos ataques de sexta-feira ao metro de Londres foi detido este sábado à noite, anunciou este domingo a polícia britânica.

Reino Unido deve obrigar Credit Suisse a divulgar contornos dos empréstimos a Moçambique

Londres, 19 set (Lusa) - A diretora do Comité para o Jubileu da Dívida (CJD) considerou hoje que o Governo do Reino Unido deve obrigar o banco Credit Suisse, que intermediou os empréstimos escondidos em Moçambique, a tornar públicos os documentos.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

Nota Alta

"Todos nós estamos desenhados...