Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Médicos de família querem rever limites de unidades de saúde familiar

Médicos de família querem rever limites de unidades de saúde familiar
| País
Porto Canal com Lusa

Os médicos de família sugerem que o Governo passe a criar um número mínimo de unidades de saúde familiar que devem abrir por ano, ao invés de estabelecer um número máximo, como acontece atualmente.

O presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF), Rui Nogueira, considera que "subsiste um princípio incrível" de definir um limite máximo para as unidades de saúde familiar (USF) que podem abrir durante um ano.

Em declarações à agência Lusa a propósito do Dia Mundial do Médico de Família, que hoje se assinala, o responsável considerou que se devia inverter a lógica e fixar antes um patamar mínimo para as USF a abrir.

Criadas em 2005, as USF foram fundadas como uma forma alternativa ao habitual centro de saúde, prestando também cuidados primários de saúde, mas com autonomia de funcionamento e sujeitas a regras de financiamento próprias, baseados também em incentivos financeiros a profissionais e à própria organização.

"As USF são mais efetivas, têm melhor organização, mais recursos, não só humanos, mas também técnicos e materiais", indica Rui Nogueira, lamentando que se esteja a prolongar a assimetria quanto a estas unidades.

Isto porque atualmente metade da população tem acesso às USF, mas a outra metade continua a estar inscrita nos centros de saúde tradicionais, mais antigos.

Os médicos de família defendem ainda que mais USF das que já estão criadas deviam passar a modelo B, que é uma forma mais evoluída de organização.

O modelo B está definido como aquele em que equipas com maior amadurecimento organizacional e maiores exigências de contratualização garantem maior disponibilidade para atingir níveis avançados de acesso para os utentes, elevado desempenho clínico e eficiência económica.

Sobre o panorama global dos médicos de família em Portugal, o presidente da APMGF admite que atualmente o número de profissionais é "bastante razoável", havendo cerca de 5.500 a exercer e cerca de dois mil em formação.

A quantidade de profissionais em formação na especialidade é considerada por Rui Nogueira como confortável, se bem que o médico preveja que em 2020 e 2021 haja um novo 'boom' de clínicos a aposentar-se.

Ainda assim, Portugal tem cerca de 8% da população sem médico de família, o que significa menos de 800 mil utentes, estando a maior parte (600 mil) concentrados na região de Lisboa e Vale do Tejo.

Além destas assimetrias regionais, há diferenças dentro das várias unidades de algumas zonas, chegando a haver centros de saúde em que 20% dos utentes permanecem sem médico de família.

+ notícias: País

'Legionella': Colhidas e analisadas amostras de água de hospitais em todo o país

Amostras de água de hospitais nas cinco regiões de saúde foram colhidas e estão a ser analisadas no âmbito do Programa de Intervenção Operacional de Prevenção Ambiental da Legionella (PIOPAL), revelou o presidente do Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge.

Acidente entre carro e camião provoca dois feridos graves e condiciona o trânsito em Viseu

Um acidente entre um automóvel ligeiro e um pesado na estrada municipal 323, em Moimenta da Beira, Viseu, provocou, esta terça-feira, dois feridos graves e está a condicionar o trânsito, apurou o Porto Canal com fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Viseu.

Burocracias levam a entraves nos cabazes alimentares distribuídos pela Segurança Social

Ao fim de quatro meses de entregas, ainda não estão completos os cabazes alimentares que começaram a ser distribuídos pela Segurança Social a pessoas carenciadas. Problemas nos concursos públicos internacionais trouxeram entraves à distribuição de alguns produtos e ainda assim, os beneficiários confessam ser uma preciosa ajuda no orçamento familiar.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.